15 março, 2015

Oposição decide aderir em bloco a protesto anti-Dilma


Protestos de março de 2015


Integrantes dos dois maiores partidos de oposição ao governo Dilma Rousseff (PT) vão aderir em bloco às manifestações organizadas contra a petista nas principais capitais do país neste domingo (15). Em São Paulo, por exemplo, a bancada de vereadores do PSDB, deputados estaduais, federais e ao menos três secretários do governador Geraldo Alckmin confirmaram suas presenças no protesto. 

A oposição aposta nos movimentos de rua como uma flecha de duas pontas voltada para o coração do PT: eles podem ampliar o desgaste da imagem da presidente e funcionar como motor para o avanço das investigações no Congresso sobre o escândalo de corrupção na Petrobras

Para que a fragilidade do governo aumente, eles torcem para que o protesto deste domingo seja grande a ponto de estimular outros depois. Interlocutores do senador Aécio Neves, presidente nacional do PSDB e adversário de Dilma nas últimas eleições presidenciais, dizem que os atos deste domingo devem ser vistos como a primeira etapa de uma longa maratona. 

O PSDB e o DEM apoiam formalmente as manifestações, mas têm feitos declarações cautelosas sobre a legitimidade dos pedidos de impeachment da presidente.

Nos bastidores, há uma comparação entre o cenário deste ano e o de 2005, quando o governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi dragado pelo escândalo do mensalão. Naquela ocasião, dizem os tucanos, não havia clima de indignação social que pudesse que sustentar um pedido de afastamento. 

Hoje, afirmam, o quadro é menos desfavorável a Dilma, que vem sendo hostilizada publicamente. Ainda assim, PSDB e DEM querem "esperar para ver" o que se dará após o dia 15 e, por isso, pregam a adesão massiva de seus filiados. "As pessoas, nossos filiados que quiserem ir, devem sentir-se estimuladas e apoiadas", disse o presidente do DEM, senador Agripino Maia (RN). Aécio divulgou um vídeo em que afirmou que o domingo será um dia "histórico". 

Atendendo à convocação, diversos tucanos marcaram pontos de encontro para participar dos protestos em São Paulo, onde os organizadores esperam que ocorra o ato principal deste domingo. Vereadores do PSDB de São Paulo, por exemplo, sairão às 13h30 de um colégio nas imediações da avenida Paulista. 

Os secretários de Estado Edson Aparecido (Casa Civil), Floriano Pesaro (Desenvolvimento Social) e Duarte Nogueira (Transportes) confirmaram a aliados sua presença no ato. Aparecido afirmou que irá à rua mais "observar para entender a dimensão". 

Na contramão de seus aliados, governadores da oposição têm guardado distância das manifestações. Geraldo Alckmin (SP) e Beto Richa (PR), por exemplo, mencionam em suas conversas o risco de um efeito bumerangue: temem que, se hoje as ruas estão contra Dilma, amanhã possam se virar podem star contra eles. 

Ambos enfrentam crises em seus Estados. Há o fantasma da falta de água em São Paulo e o desequilíbrio nas finanças do Paraná. Por isso, os governos pediram atenção às equipes de inteligência que encarregaram de monitorar riscos e a adesão a protestos. 

A Polícia Militar de São Paulo relatou um aumento substancial das menções ao ato deste domingo nas redes sociais após o pronunciamento de Dilma no último dia 8 e o panelaço que reagiu a ele no mesmo dia em várias capitais. 

A expectativa da inteligência da PM para no público no ato da Paulista saltou de 10 mil para um mínimo de 40 mil pessoas. A área também avisou ao governo que há risco de caminhoneiros fecharem estradas que levam à capital, numa ação coordenada.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

O blog Olhar de Coruja apoia AMIR SANTOS - No 5 - candidato a DIRETOR DE PLANEJAMENTO NA PREVI