15 março, 2015

Idealizadores de ato contra Dilma trocam acusações

Dois dos maiores grupos de mobilização pelo ato deste domingo (15) contra o governo da presidente Dilma Rousseff (PT) chegam às vésperas da manifestação afastados e trocando críticas indiretas nas redes sociais. 

A divergência entre o Movimento Brasil Livre (MBL) e o Vem Pra Rua se tornou pública nos últimos dias, com acusações veladas de "frouxidão" e "desserviço" às mobilizações da oposição em vídeos publicados na internet. 

O MBL é formado majoritariamente por jovens entre 20 e 30 anos, defensores de uma cartilha liberal na economia e do impeachment da presidente Dilma. 

O Vem Pra Rua é mais moderado. Seus principais integrantes são empresários, a maioria do seu público tem entre 35 e 40 anos, e o grupo ainda não faz defesa aberta do impeachment. 

A desunião em torno da defesa do impedimento da presidente e o apoio do PSDB aos atos anti-Dilma se tornou ponto central do desentendimento dos grupos.

 Dirigente do MBL, Renan Henrique Ferreira Santos, 31, publicou um vídeo no Facebook com ataques velados ao Vem Pra Rua. 

"O PSDB manteve-se, enquanto oposição, como um partido covarde", afirmou Renan, para dizer em seguida que a sigla se tem medo de defender o impeachment. 

"Dia 15 a oposição real, que são as pessoas, vão estar saindo para rua (...) e o PSDB vem de novo com aquela covardia dele (...) e alguns grupos ligados ao PSDB também vem trazer esse medo, esse tipo de postura frouxa", continuou. 

A resposta veio dias depois, num vídeo postado por Rogerio Chequer, empresário que é uma espécie de porta-voz do Vem Pra Rua. 

Sem citar o MBL, ele afirmou que "tem visto alguns posts [mensagens na internet] e vídeos sobre comentários de que o Vem Pra Rua é aparelhado pelo PSDB". 

Chequer afirma que seu grupo é "suprapartidário". "E tem que ser assim para termos sempre isenção para criticar e protestar contra qualquer partido", argumenta. 

Ele cita que a história pública de desunião entre líderes do PSDB, no entanto, deveria servir de lição para os grupos que agora atuam contra Dilma. "Vemos esses movimentos fazer algo muito parecido: trazer fogo amigo (...), gastar tempo e energia num momento em que o Brasil está precisando de uma oposição unida", avalia. 

O afastamento dos dois grupos preocupa os principais entusiastas dos protestos, que veem na divergência entre o MBL e o Vem Pra Rua uma chance para desmobilizar as passeatas contra o governo petista. 

O temor é que, sem sincronia, atos convocados em datas e com ideais diferentes não tenham o mesmo poder de atração de público que o deste domingo.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

O blog Olhar de Coruja apoia AMIR SANTOS - No 5 - candidato a DIRETOR DE PLANEJAMENTO NA PREVI