17 março, 2015

Peemedebista já é chamado de 'resolvedor-geral da República'



Congresso Nacional


A vitória de Eduardo Cunha (PMDB-RJ) para o comando da Câmara não fortalece apenas o próprio peemedebista. Sua eleição impulsiona, por tabela, o senador Renan Calheiros (PMDB-AL), também eleito neste domingo (1º) para presidir o Senado. A expectativa de integrantes palacianos é: o que o primeiro estragar, o segundo pode consertar. 

Quando um tentar viabilizar um projeto espinhoso ou uma aprovação inconveniente, o Palácio recorrerá ao senador para que este barre. 

O efeito colateral desse jogo de compensação é a elevação do passe de Renan dentro do Palácio do Planalto. Já passa a ser chamado de "resolvedor-geral da República". 

Crescerá, portanto, a dependência de Dilma em relação ao aliado –o que vai custar caro à presidente: mais cargos e mais influência. 

A última esperança de integrantes do governo para enfraquecer Cunha é que os desdobramentos da Operação Lava Jato respinguem na sua presidência. No mês passado, a Folha revelou que Cunha deve ser alvo de inquérito da Procuradoria-Geral da República na operação. 

O principal temor do governo é que Cunha dê vazão a movimentos a favor do impeachment de Dilma Rousseff. Renan, por sua vez, é visto no Planalto como ''a última muralha'' contra o processo. 

A eleição no Congresso é o reflexo da relação que os parlamentares tiveram com o Planalto nos últimos quatro anos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O blog Olhar de Coruja apoia AMIR SANTOS - No 5 - candidato a DIRETOR DE PLANEJAMENTO NA PREVI