17 março, 2015

Operação Lava Jato amplia investigação sobre José Dirceu

Petrolão

Bob surgiu na Operação Lava Jato como personagem secundário, desses que mais atrapalham do que ajudam a entender o resto da trama. 

Mas Bob, apelido com o qual o doleiro Alberto Youssef chamava o ex-ministro José Dirceu ao registrá-lo em sua contabilidade, caminha para se tornar um dos principais alvos da apuração por conta de um conjunto de indícios e provas reunidos pela Polícia Federal e também por procuradores do caso. 


A apuração sobre Dirceu mudou de patamar por indícios que vão de consultorias de cerca de R$ 3,8 milhões pagas pelas empreiteiras investigadas pela Lava Jato, sem comprovação de prestação de serviços, segundo os procuradores, a acusações de Youssef de que um dos delatores estaria protegendo o ex-ministro. 

Há ainda menção a Dirceu por parte dos dois delatores da Camargo Corrêa, o presidente da empresa, João Auler, e o vice-presidente Eduardo Leite. Segundo a Folha apurou, eles não assumiram receber suborno, mas dizem que outros diretores da empreiteira podem ter feito isso. 

O ex-ministro foi condenado no mensalão a dez anos de prisão, cumpriu menos de um ano em regime fechado e agora está em prisão domiciliar. 

Uma das principais descobertas, na visão de dois investigadores, é o vínculo entre João Vaccari Neto, tesoureiro do PT, com Dirceu. Para eles, já há elementos de que Vaccari agia a mando de Dirceu. 

Vaccari é apontado pelo doleiro como o encarregado pelo PT de arrecadar a propina que tinha origem nos desvios de obras da Petrobras. 

Youssef cita um caso de suborno pago ao PT em que "os indicados para o recebimento eram Vaccari e Dirceu". 

O doleiro também aponta que o empresário Julio Camargo omitiu Dirceu em sua delação premiada. Segundo Youssef, ele pagou R$ 27 milhões em propina entre 2005 e 2012 –parte foi para Dirceu. 

O doleiro relata ainda ter visto uma planilha com os pagamentos a Bob quando checava contas com um contador de Julio Camargo. 

Youssef aponta que Camargo era ligado a Dirceu e ao ex-ministro Antonio Palocci, também investigado após o ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa dizer que ele pedira R$ 2 milhões para a campanha de Dilma Rousseff (PT) em 2010. Palocci nega.




Nenhum comentário:

Postar um comentário

O blog Olhar de Coruja apoia AMIR SANTOS - No 5 - candidato a DIRETOR DE PLANEJAMENTO NA PREVI