24 março, 2015

Investigações avançam sobre o segundo escalão da Petrobras


  • Ricardo Moraes/Reuters
    Fachada da sede da Petrobras, no Rio de Janeiro Fachada da sede da Petrobras, no Rio de Janeiro
As investigações sobre a existência de um suposto esquema de corrupção na Petrobras avançam sobre o segundo escalão da empresa. Ex-parceiro do delator da Operação Lava Jato Paulo Roberto Costa na área de Abastecimento da companhia, Djalma Rodrigues foi afastado na última sexta-feira, 20, da gerência geral de Participações Petroquímicas da empresa.


Em 2005, o executivo chegou a ser indicado pelo PP para assumir a diretoria "que fura poço", segundo palavras do então presidente da Câmara dos Deputados, Severino Cavalcanti, que almejava para a cota do partido o comando da diretoria de Exploração e Produção (E&P). O setor concentra o maior orçamento da estatal.


A saída de Rodrigues é a segunda baixa no corpo gerencial desde que Aldemir Bendine assumiu a presidência da Petrobrás, há 45 dias, no dia 9 de fevereiro. O primeiro corte aconteceu na última quinta-feira, 19, quando Wilson Santarosa, ligado ao PT, foi destituído do cargo de gerente executivo da Comunicação Institucional da empresa.


No dia seguinte, foi a vez da estatal afastar o afilhado político do mesmo partido que o do delator da Lava Jato, o PP. Rodrigues e Costa trabalharam juntos até 2000 na extinta Gaspetro, que cuidava dos negócios de gás da estatal, e na TBG, empresa responsável pelo transporte de gás natural boliviano até o Brasil. Na época, Costa era subordinado a Rodrigues. A situação se inverteu em 2003, quando Costa assumiu a diretoria de Abastecimento da petroleira e Rodrigues passou a ser chefiado por ele.


Já em 2005, a indicação de Rodrigues ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para a diretoria de E&P foi motivo de escândalo na imprensa. Cavalcanti veio a público dizer que almejava a diretoria da estatal "que fura poço e acha petróleo", que responde por cerca de 70% do investimento total da petroleira.


As intenções do então presidente da Câmara foram frustradas pela presidente Dilma Rousseff, que, naquele ano, era ministra de Minas e Energia e optou por manter no cargo Guilherme Estrella, ligado ao PT. Em compensação, foi dada a Rodrigues a diretoria de Novos Negócios da Petroquisa, comandada por Graça Foster, que, sete anos depois, ocuparia a presidência da Petrobrás por indicação da presidente Dilma.


Na época, Rodrigues negou qualquer relação política com Cavalcanti, afastado do Congresso após ser acusado de participação em um esquema de corrupção, o mensalinho, na Câmara. Na época, o ex-gerente da Petrobrás, afirmou que o ex-parlamentar o procurou apenas por terem nascido no mesmo estado.


Procurada, a Petrobras informou apenas que "funções gerenciais não são permanentes, sendo, portanto, de livre nomeação a qualquer momento".

Ampliar


Veja quem será investigado na Lava Jato

6.mar.2015 - Vista do prédio do Congresso Nacional, em Brasília, horas antes da divulgação dos nomes dos políticos que serão investigados por possível envolvimento em corrupção. O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Teori Zavascki autorizou a abertura de inquérito contra 47 políticos para apurar a participação deles no esquema investigado pela operação Lava Jato, que apura irregularidades na Petrobras. Ao todo, são 22 deputados federais, 12 senadores, 12 ex-deputados e uma ex-governadora de seis partidos (PMDB, PT, PP, SD, PSDB e PTB). Há mais pessoas que serão investigadas, mas não têm ou tiveram cargos eletivos. São elas o tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, e o lobista Fernando Baiano. Quatro políticos tiveram pedido de abertura de inquérito arquivado. A investigação do ex-ministro Antônio Palocci foi remetido à Justiça Federal do Paraná André Dusek/Estadão Conteúdo

UOL

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O blog Olhar de Coruja apoia AMIR SANTOS - No 5 - candidato a DIRETOR DE PLANEJAMENTO NA PREVI