15 março, 2015

Empresários lucram com polarização política


Protestos de março de 2015



No calor das manifestações a favor e contra o governo na última sexta (13) e neste domingo (15), respectivamente, estilistas e marcas de roupas estão lucrando com a vontade da população de expressar seu posicionamento político. 

A frase "vivemos numa ditadura de esquerda", estampada na camiseta da catarinense Vista Direita, foi a escolha, segundo o empresário Carlos Machado, 34, de pelo menos 200 pessoas que estavam em busca de um look para o domingo. 


Caio Cezar/Folhapress
Os catarinenses Daniel Pecanha (à esq.) e Carlos Machado, da grife 'Vista Direita'
Os catarinenses Daniel Pecanha e Carlos Machado, da grife 'Vista Direita'

O empresário conta que frases mais incisivas, como "capitalismo, matando desde 1917", estão no topo da preferência dos clientes, que pagam R$ 69 por uma peça. 

Segundo Machado, nenhum dos seus compradores procurou referências ao PSDB, mas sim a pensadores, tais quais Friedrich Nietzsche e Margaret Thatcher. 

"A esquerda foi eficiente em se infiltrar no meio artístico para passar a imagem de 'cool'. Nós queremos provar que ser de direita também pode ser 'cool'", diz Machado, que criou a grife com o administrador Daniel Peçanha, 27. 

"Olhe a camiseta com a cara de Che Guevara, por exemplo. Muita gente usa porque ele era boa pinta e a imagem é emblemática. Foi uma ótima estratégia da esquerda." 

Estratégia que faz o comerciante Hamilton Alem, 64, faturar R$ 5 mil por mês com produções de sua grife, a Dom Camisetas. 

 Ernesto Rodrigues/Folhapress



Hamilton Alem vende camiseta em ato de esquerda
Hamilton Alem vende camiseta em ato de esquerda
"Com os protestos, sempre aumentamos a nossa produção. Mas as vendas eram melhores quando o PT não estava no governo. Na eleição de 1989, todo mundo comprava, o Lula era a 'coqueluche'. Hoje, ninguém procura as camisetas do partido, é mais pelo posicionamento contra os reacionários da direita", afirma Alem. 

O comerciante disse ter vendido mais de 100 camisetas "de esquerda" para o protesto de sexta (13). Entre elas, uma da personagem Mafalda com um lenço vermelho no rosto. As peças custam R$ 30 e são vendidas em manifestações e pelo site da marca. 

Estilistas como Sergio Kamalakian e Ronaldo Fraga também criaram camisetas de cunho político. 

Kamalakian esgotou em sua loja paulistana 2.000 peças com a frase "A culpa não é minha, eu votei no Aécio". 

Menos direto, Fraga vende camiseta que mostra a bandeira brasileira com o escrito "otimista por um fio".

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O blog Olhar de Coruja apoia AMIR SANTOS - No 5 - candidato a DIRETOR DE PLANEJAMENTO NA PREVI