15 janeiro, 2015

Mais um 'quase' para a civilização

A Nasa alerta: um asteroide com significativo meio quilômetro de diâmetro passará “de raspão” pela Terra no dia 26 de janeiro. Mas, antes que comecem a inventar lendas urbanas, a agência espacial americana avisa que não há o menor risco de colisão. Ele voará cerca de três vezes mais afastado do nosso planeta que a Lua, distância equivalente a 1,2 milhão de quilômetros.

Concepção artística de asteroide prestes a passar de raspão pela Terra (Crédito: Nasa)
Concepção artística de asteroide prestes a passar de raspão pela Terra (Crédito: Nasa)

O asteroide é conhecido pela sigla 2004 BL86 e os astrônomos poderão conhecê-lo melhor conforme ele passar por nossas redondezas. “Embora não ofereça perigo à Terra, é uma aproximação relativamente grande por um asteroide relativamente grande, de forma que ele fornecerá uma oportunidade singular para observarmos e aprendermos mais”, diz Don Yeomans, cientista que está prestes a se aposentar, depois de comandar por 16 anos o programa de objetos próximos à Terra da Nasa.

Meio quilômetro de diâmetro é um senhor diâmetro. Não custa lembrar que os cientistas tratam um quilômetro como o número mágico a partir do qual um asteroide é capaz de causar uma catástrofe global. Com metade desse tamanho, se trombasse com a gente, o 2004 BL86 já causaria problemas muito sérios. Para efeito de comparação, o bólido que apavorou Chelyabinsk, na Rússia, em 2013 tinha míseros 20 metros. Pense o que um de 500 metros não faria. No mínimo, uma tragédia continental.

PEDRAS MISTERIOSAS

Quando estão distantes, esses objetos não passam de discretos pontos de luz, mesmo em nossos telescópios mais poderosos. O 2004 BL86 não é exceção. Tudo que sabemos sobre ele hoje é baseado nas informações que podemos obter do monitoramento de um pequenino ponto de luz. Por isso, quando um deles passa perto de nós, os astrônomos ficam ouriçados. Usando técnicas como radar, eles podem mapear a superfície do asteroide e com isso compreendê-lo melhor. É uma oportunidade rara, portanto. Até mesmo amadores com telescópios de fundo de quintal poderão observá-lo.

Trajetória do asteroide 2004 BL86; aproximação máxima acontece em 26 de janeiro (Crédito: Nasa)
Trajetória do asteroide 2004 BL86; aproximação máxima acontece em 26 de janeiro (Crédito: Nasa)

Ao mesmo tempo, a passagem é um alerta. Sabemos que muitos desses pedregulhos perigosos estão por aí, viajando às cegas em suas órbitas em torno do Sol, regidas pelo balé gravitacional somado a pequenas, mas constantes, forças, como a pressão de radiação exercida pela nossa estrela-mãe. Mais cedo ou mais tarde algum desses pedregulhos vai cruzar o nosso caminho. E aí estamos contando com os astrônomos para nos avisar do futuro impacto a tempo para que possamos fazer alguma coisa.

Existem diversas estratégias possíveis para a deflexão de um asteroide perigoso (leia sobre uma delas aqui), embora nenhuma delas tenha passado por um estudo rigoroso e, muito menos, testada na prática. Mas já não podemos mais nos dizer completamente indefesos. O que precisamos agora é de monitoramento constante dos céus, para que não sejamos pegos desprevenidos. Não é à toa que os programas de objetos próximos à Terra da Nasa receberam o apelido de “Guarda Espacial”. (“Spaceguard”, para quem não sabe, é o sistema de alerta de impacto de asteroides descrito no livro “Encontro com Rama”, clássico da ficção científica escrito por Arthur C. Clarke.)

Acompanhe o Mensageiro Sideral no Facebook e no Twitter

FOLHA


Nenhum comentário:

Postar um comentário

O blog Olhar de Coruja apoia AMIR SANTOS - No 5 - candidato a DIRETOR DE PLANEJAMENTO NA PREVI