27 janeiro, 2015

Oposição articula bloco à eleição de Cunha à presidência da Câmara

Na reta final da disputa pela presidência da Câmara, os partidos que sustentam o nome de Júlio Delgado (PSB-MG) para o comando da Casa articulam um desembarque em bloco da candidatura pessebista em favor da eleição de Eduardo Cunha (PMDB-RJ). 

O peemedebista é o favorito para o posto, mas corre o risco de enfrentar uma eleição de dois turnos se Delgado permanecer na disputa. Caso o movimento da oposição se concretize, crescem as chances de Cunha liquidar a fatura em um turno só e alijar o PT dos principais cargos da Câmara dos Deputados. 

O argumento para o desembarque da candidatura de Delgado é pragmático. Integrantes do PSDB, PPS e do próprio PSB ouvidos pela Folha dizem que insistir em uma terceira via sem chance real de vitória é "relegar a oposição ao nanismo em todos os postos da Casa".
"Como vamos atuar e defender nossa agenda se estivermos fora de todas as comissões importantes?", questiona um tucano de São Paulo. 

A ocupação de cargos e comissões na Câmara é definida de acordo com o tamanho dos blocos que se agrupam antes da eleição do presidente da Casa. Hoje, o grupo de partidos que apoia Cunha é o maior. O petista Arlindo Chinaglia (SP), que polariza a disputa com o peemedebista, vem logo atrás, seguido pelo grupo de Delgado. 

Na definição do comando das comissões, portanto, o grupo de Cunha, com o PMDB à frente, teria prioridade. Depois, seria a vez do bloco comandado pelo PT de Chinaglia e, só então, viriam as indicações da oposição. 

"Não tem comissão para todos. No nosso caso, PPS e PV, que são as menores bancadas, teriam que dividir uma comissão entre eles", destacou um pessebista. 

Cunha se reuniu nesta segunda (26), em São Paulo, com a bancada do PSDB no Estado –e, segundo um interlocutor, sinalizou que, se houver acordo, os tucanos podem ficar com a vice-presidência da Câmara. Teria dito ainda que colocaria PPS e PV em uma comissão cada.
Se levar a oposição, Cunha terá deputados suficientes para relegar cargos menos relevantes da Casa ao PT.


 
'FATOR AÉCIO'
 
Delgado, que já vinha reclamando de dissidências, sabe que um acordo entre Cunha e o PPS ou o PV seria suficiente para uma debandada em sua chapa, o que pode levá-lo a abandonar a disputa.

Nesse cenário, tem "amarrado" os tucanos (maior partido de sua base) com a tese de que o senador Aécio Neves, presidente do PSDB, é "o fiador" de sua candidatura. 

Nesta segunda, Delgado se reuniu em Brasília com os principais nomes do PSB. 

"Não há qualquer movimento de desembarque", disse Beto Albuquerque, vice-presidente do PSB. "O governador Paulo Câmara (PE) falou com Aécio por telefone e ele garantiu 85% dos votos no PSDB para o Júlio." 

Dois tucanos foram escalados para discutir o assunto com Aécio. Os deputados de São Paulo também fecharam apoio a Carlos Sampaio (PSDB-SP) para líder da bancada. 


Nenhum comentário:

Postar um comentário

O blog Olhar de Coruja apoia AMIR SANTOS - No 5 - candidato a DIRETOR DE PLANEJAMENTO NA PREVI