18 janeiro, 2015

De Figueiredo@org para Dilma@gov

 
Há 30 anos, numa explosão temperamental, por horror ao Sarney, detonei o melhor dia de minha vida pública.
 

                                                   
Senhora, 
 
Não gosto do seu governo, como vosmecê não gosta do meu. Quando eu assumi a Presidência, em 1979, meus serviços de informações acompanhavam seus passos. A senhora tinha 32 anos, saíra da cadeia, passara pela Universidade de Campinas, perdera um emprego em Porto Alegre e continuava militando na esquerda. O SNI dizia que estava metida com uma tal de Junta de Coordenação Revolucionária. Veja como são as coisas que nos contam, a ameaça dessa JCR, à qual estaria ligado também o Fernando Henrique Cardoso, era um delírio de meia dúzia de generais. 

Volto a escrever-lhe sobre nosso temperamento explosivo. (Só eu, a senhora e o maluco do Jânio Quadros tivemos essa característica.) Desta vez falarei da explosão que tive nas 24 horas seguintes à manhã de quinta-feira, 14 de março de 1985. Daqui a pouco completam-se 30 anos desses acontecimentos e acredito que essa memória tenha alguma utilidade para a senhora. 

Eu havia bloqueado a campanha de Paulo Maluf à minha sucessão, e Tancredo Neves elegera-se pelo voto indireto. Tomaria posse na manhã de sexta-feira, dia 15. Seria o primeiro presidente civil depois de cinco generais. Eu sabia que o Tancredo estava doente. Ao final da manhã soube que ele precisaria ser operado depois de tomar posse. As coisas se aceleraram e, na noite de quinta-feira, ele havia sido levado às pressas, de pijama, para o Hospital de Base de Brasília. A quem eu entregaria a faixa na manhã seguinte? Ao José Sarney? 

Nem morto, pois detestava-o. Poderia transferir o cargo ao meu vice, o Aureliano Chaves, mas aí a coisa ficava pior, pois detestava-o ainda mais. Depois eu soube que o Aureliano estava pronto para sair no braço comigo caso eu lhe fizesse alguma descortesia durante a cerimônia. Duvido. 

Decidi que não entregaria faixa nenhuma. Ia-me embora do palácio e saí pela porta lateral. Senhora, ouvi meu fígado e arruinei a lembrança que os brasileiros têm de mim. Nenhum dos meus colaboradores chamou-me num canto para dizer que estava cometendo uma maluquice. Conto-lhe isso porque a senhora sabe quantas vezes lhe faltaram vozes para recolocá-la no caminho da razão. A gente explode, todo mundo fica calado e depois ficamos com a conta. 

Imagine que alguém tivesse corrido o risco de me desafiar. Talvez eu tivesse cedido. Disso resultaria a cena do quinto general entregando a faixa ao Sarney. Seria o indiscutível coroamento da abertura política. Fui o presidente que assinou a maior anistia da história nacional. Presidi com lisura a eleição direta dos governadores. Leonel Brizola ganhou no Rio, Franco Montoro em São Paulo e Tancredo em Minas. Encerrei o ciclo de presidentes militares entregando o poder a um político que militava na oposição. Quem fez isso? Em ponto menor, só o Floriano Peixoto em 1894, mas outro dia ele me disse que não tinha pelo Prudente de Morais o apreço que eu tinha pelo Tancredo. 

Daqui a dois meses, todo mundo lembrará da posse do Sarney, do fim da ditadura e do general que saiu pela porta lateral do palácio. É a vida, e eu não posso culpar ninguém pela minha decisão. Outro dia um puxa-saco disse que resolvi não subir no meu próprio pedestal. Coisa de puxa-saco, mas ele talvez tenha razão, porque eu sei que me deixei levar pelo temperamento. 

Recomendo-me ao seu neto Gabriel e despeço-me. 

João Batista Figueiredo 

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O blog Olhar de Coruja apoia AMIR SANTOS - No 5 - candidato a DIRETOR DE PLANEJAMENTO NA PREVI