16 janeiro, 2015

Vai piorar antes de melhorar


 
A Caixa vai aumentar a taxa de juros que cobra de quem quer comprar casas. Não é grande coisa, não deixa de ser providência correta e, por si só, não deve ter grande impacto na procura de financiamentos. Mas pega mal. O cidadão comum entende facilmente que a casa própria vai custar mais. 
 


Mais relevante é que a Caixa vai pisar no freio das concessões de empréstimos porque não tem mais dinheiro e o governo prometeu não fazer mais dívida a fim de financiar os bancos públicos. Em suma trata-se de mais medidas corretas, mas estelionatos eleitorais, do "ajuste" que não viria, no caso do governo federal, ao "ajuste hídrico" de Geraldo "não vai faltar água" Alckmin. 


Os "ajustes que não viriam" devem derrubar o investimento, ao menos no curto prazo. 


O financiamento imobiliário até que vinha muito bem. Para pessoas físicas, o total de dinheiro emprestado crescia ao ritmo espantoso de 27% ao ano até novembro, dado mais recente. Fica longe do ritmo ainda mais inviável de 55% do final de Lula 2. O total de dinheiro emprestado, "estoque de crédito", a taxas de mercado porém encolhe, em termos reais. 


Os aumentos dos juros nos bancos públicos devem derrubar ainda mais o investimento (formação bruta de capital fixo, FBCF, novas instalações produtivas, equipamentos etc.). Em 2014, até o terceiro trimestre, a FBCF caía 7,4% em relação a 2013. Caía mesmo com as taxas de juros de vovó para neto que o BNDES cobrava das grandes empresas amigas do nacional-empresismo. Em novembro, a taxa para financiar investimento era de 7,2% ao ano. Descontada a inflação, de 0,6% ao ano: o governo dá dinheiro. 


O investimento não deve padecer apenas de juros mais altos. O governo pretende cobrar imposto sobre instrumentos de captação de recursos (letras rurais e imobiliárias), o que vai encarecer investimento. A desvalorização do real encarece máquinas e equipamentos importados. 


Há ainda salseiro provocado pela revelação da bandalheira da Petrobras, entre outros desarranjos que o governo provocou na empresa. A petroleira já anunciou que vai investir menos. Sem crédito, não terá como tomar mais empréstimos e, enfim, não há como investir tanto mais estando tão endividada e com o preço do petróleo no chão. O crédito lá de fora tem se tornado mais escasso para empresas brasileiras, inclusive por causa do rolo da Petrobras. 


As empreiteiras estão enroladas, algumas pensam em recuperação judicial. A desordem na Petrobras causa imenso tumulto: as empresas dependentes da petroleira estão demitindo, não pagam pessoal e fornecedores. Uma baderna em um setor que pesa muito no investimento total. Melancia do bolo, o governo vai ter de cortar seus investimentos também. 


Para que o investimento não apanhasse de novo neste ano, seria preciso uma recuperação apoteótica e operística da confiança, no curto prazo inviável, pois todo o mundo ainda espera para ver no que vai dar o "plano real" do ministro da Fazenda. Uma desvalorização mais acentuada do real, que deve vir, vai reordenar preços e rentabilidades, o que deve ajudar a recuperação econômica, mas não tão cedo. 


A travessia vai ser difícil. 



vinicius torres freire Vinicius Torres Freire está na Folha desde 1991. Foi secretário de Redação, editor de 'Dinheiro', 'Opinião', 'Ciência', 'Educação' e correspondente em Paris. Em sua coluna, aborda temas políticos e econômicos. Escreve de terça a sexta e aos domingos
 
COMENTÁRIO DA BLOGUEIRA: só tenho duas coisas a dizer: êh, êh!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O blog Olhar de Coruja apoia AMIR SANTOS - No 5 - candidato a DIRETOR DE PLANEJAMENTO NA PREVI