19 janeiro, 2015

O novo rumo

Será mais do que uma simples modificação de agenda. Trocar a prevista ida à suíça Davos por uma breve estada em La Paz será uma incoerência de Dilma Rousseff. 

A programação antecipava que Dilma se faria acompanhar dos ministros Joaquim Levy e Nelson Barbosa na ida a Davos, a pequena cidade que recebe o periódico piquenique suíço dos donos da riqueza mundial. De repente, informa-se que Dilma está preferindo ir à posse do reeleito Evo Morales. Ou seja, prestigiar uma prática política equivalente, nas condições bolivianas, à que a Dilma do segundo mandato repeliu para adotar as políticas e práticas bem vistas pelos convivas de Davos. 

Ainda mais estranha se mostra a inversão da agenda presidencial se confrontada com as decisões de governo que compõem o portfólio ideal para uma entrada gloriosa nos salões de Davos. 

Por aqui, propor aumento de impostos é mais perigoso do que charge com o profeta. São Paulo criou até o impostômetro, a indicar cada centavo saído de bolso privado para cofre público. Antes mesmo de assumir, porém, Joaquim Levy falou em aumentar imposto –e nada, nenhum editorial, nenhuma entrevista chiadora. Isso é que é confiança, saber o que esperar de alguém, e receber mesmo. 

Joaquim Levy ofereceu um café da manhã a jornalistas para anunciar-lhes, entre a doçura da geleia e o suco que ajuda a descer, quem vai pagar mais imposto. Não é o sistema bancário, merecedor do título de mais lucrativo do mundo. Tão rentável que bancos estrangeiros vêm buscar aqui o lucro que lá fora virou perda. Não são os cartões de crédito, com seus juros sem nada semelhante no mundo, 258%, ou 40 vezes a inflação. Nem vai o aumento de imposto incidir sobre a especulação financeira, sobre a remessa de lucros para o exterior, ou sobre ganhos no mero jogo de Bolsa. 

O aumento de imposto vai cair em cima de quem trabalha e vive do que ganha com o trabalho, para tanto registrado como se em sua pessoa existisse uma empresa. O que chamam de "pessoa jurídica". 

Para que não haja a suposição de uma incidência apenas ocasional sobre o lado mais fraco, horas depois da gentileza de Joaquim Levy o governo expeliu outra criação de sua índole: os juros da Caixa Econômica Federal vão aumentar. A Caixa tem muitas linhas de financiamento mas só uma terá os juros elevados. A de financiamento da casa própria, aquela via salvadora dos que só alcançam a sonhada casa própria com os juros da Caixa, porque essa casa é paga só com trabalho. 

O novo governo Dilma, ou o governo da nova Dilma, conhece seus objetivos. Joaquim Levy é claro: "A gente não tem nenhum objetivo de fazer saco de maldades". Se há corte de despesas, por exemplo, R$ 7 bilhões da educação, nada de gastar com sacos. 

janio de freitas Janio de Freitas, colunista e membro do Conselho Editorial da Folha, é um dos mais importantes jornalistas brasileiros. Analisa com perspicácia e ousadia as questões políticas e econômicas. Escreve aos domingos, terças e quintas-feiras.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O blog Olhar de Coruja apoia AMIR SANTOS - No 5 - candidato a DIRETOR DE PLANEJAMENTO NA PREVI