11 fevereiro, 2015

Eduardo Cunha vai chamar os 39 ministros para explicações na Câmara


O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), prepara um convite global para que os 39 ministros da presidente Dilma Rousseff prestem esclarecimentos e debatam temas de suas pastas com deputados. 

A ideia é seja estabelecido um calendário para que um ministro, a cada semana, compareça à Câmara numa comissão geral, quando todos os trabalhos da Casa são interrompidos para a realização de um debate em plenário. Preferencialmente, esses encontros acontecerão às quintas-feiras. 

Cunha acertou a interação com os ministros durante a reunião de líderes da Casa. Pelas regras da Câmara, quando um ministro é convidado, ele não é obrigado a comparecer. O peemedebista, porém, não descartou que sejam aprovadas convocações, em casos de recusa, o que torna a presença obrigatória. 

"Vamos aprovar um convite global, fazer um calendário para o ano inteiro. Se eventualmente, alguém que for convidado, sem motivação de força maior se recusar a comparecer, pode ser que o plenário entenda depois convocar", afirmou. 

Questionado se a medida é uma reação à pressão dos parlamentares contra restabelecer sessões de votações nas quintas-feiras, ele negou. 

"Não tem reação nenhuma. É simplesmente fazer o que o Parlamento tem que fazer: que é debater. É fazer com que os ministros possam num dia debater assuntos de suas pastas com o Parlamento", afirmou. 

O presidente da Câmara reconheceu que há um movimento para jogar votações para as noites de segundas-feiras. 

Atualmente, as votações ocorrem apenas às terças e às quartas. Às quintas são discutidas matérias de consenso, como acordos internacionais, e geralmente é mantido o registro de presença do dia anterior para garantir o quórum. 

No lugar de promessas de ampliação de benefícios, agora o presidente da Câmara fala em cortar o salário de quem não comparecer às sessões de quinta. Para as ausências, serão aceitas justificativas de viagem em missão oficial ou de licenças médicas.


 
FORÇA-TAREFA
 
Em outra frente, a liderança do governo na Câmara prepara uma agenda para estreitar a relação do Planalto com a base aliada.

O líder do governo na Casa, José Guimarães (CE), discute um calendário de reuniões do Planalto com os governistas, que pode contar com um encontro de Dilma com os aliados.
"Estamos atuando em várias frente para recompor a governabilidade. Aqui não pode ser essa política do mata-mata", disse. 

Em uma semana de trabalho do Congresso, o governo sofreu uma derrota histórica imposta por aliados com a eleição de Cunha para comandar a Câmara, também viu ser criada uma nova CPI para investigar a Petrobras e também a inclusão de uma proposta incômoda na discussão sobre a reforma política.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

O blog Olhar de Coruja apoia AMIR SANTOS - No 5 - candidato a DIRETOR DE PLANEJAMENTO NA PREVI