25 fevereiro, 2015

Brasil 'abandona' ponte construída em parceria com a França

Apenas 378 metros separam o Brasil da França. Mas este trajeto entre o Amapá e a Guiana Francesa, território ultramarino do país europeu, virou um percurso problemático que já dura 18 anos. 


Idealizada em 1997 pelos então presidentes Fernando Henrique Cardoso e Jacques Chirac, a ponte binacional que liga a América do Sul à UE (União Europeia), sobre o rio Oiapoque, está concluída desde 2011, mas não tem previsão de inauguração. 


Única ligação terrestre entre as cidades de Oiapoque (AP) e Saint Georges de l'Oyapock, na Guiana Francesa, o traçado não foi liberado porque o Brasil ainda não cumpriu sua parte: concluir as obras da aduana e a ligação da rodovia BR-156 até a obra. 


Jorge Cardoso
Ponte estaiada que liga Oiapoque, no Amapá, a Saint Georges de l'Oyapock, na Guiana Francesa
Ponte estaiada que liga Oiapoque, no Amapá, a Saint Georges de l'Oyapock, na Guiana Francesa
A ponte estaiada mede 378 metros, custou R$ 61 milhões, divididos entre os dois países, e está pronta desde junho de 2011, mesma época em que a França concluiu toda a estrutura viária e aduaneira do seu lado da fronteira. 


Ainda em 2011, os franceses concluíram a rodovia de quase 200 km que ligou Saint Georges à capital Caiena. 


Além das obras da fronteira brasileira, que incluem postos de Polícia Rodoviária Federal, Polícia Federal, Ibama e Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), orçadas em cerca de R$ 13 milhões, os dois países ainda precisam ratificar acordo relativo ao transporte terrestre de pessoas e mercadorias. 


"Eles precisam muito mais de nós que nós deles. A Guiana Francesa não dispõe de agricultura e pecuária, por exemplo. Será um grande corredor comercial, com acesso à UE", diz Alcir Figueira Matos, diretor da Agência de Desenvolvimento do Amapá. 

Editoria de Arte/Folhapress
O governo federal chegou a agendar uma data de inauguração, no final de 2013, com presença da presidente Dilma Rousseff, mas recuou. 


Enquanto isso, os brasileiros que se aventuram até a Guiana Francesa –a maioria em busca de trabalho na mineração– utilizam barcos para vencer o rio Oiapoque. O caminho inverso, porém, tem sido feito pela própria ponte, pois o posto aduaneiro da Guiana já funciona. 


A exigência de seguro dos veículos que chegam à Guiana Francesa e do visto de entrada, ambos em vigor, são pontos ainda em debate. A invasão de imigrantes ilegais via Amapá é, há alguns anos, uma das principais preocupações da França. 


O governo do Amapá afirma que, com otimismo, a ponte poderá ser inaugurada até o final deste ano, mas evita estipular uma data. 


Em nota, a embaixada francesa no Brasil minimizou o imbróglio, mas reforçou que o país fez sua parte e que os recursos humanos já foram até recrutados para o local. 


"As autoridades francesas em Paris, em Caiena e em Brasília trabalham em estreita cooperação com as instituições brasileiras competentes para resolver as últimas pendências e permitir, em breve, a inauguração da ponte sobre o Oiapoque", afirma a nota. 


Responsável pelas obras da aduana e da ligação da rodovia até a ponte, o Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes) não respondeu à reportagem.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

O blog Olhar de Coruja apoia AMIR SANTOS - No 5 - candidato a DIRETOR DE PLANEJAMENTO NA PREVI