09 novembro, 2014

Alimentos in natura devem ser maioria na dieta, diz governo

Deixe de lado a semente de chia, o whey protein e o óleo de coco. No novo guia nutricional do governo, o que vai para o prato, e é sinônimo de alimentação saudável e nutritiva, é o arroz, feijão, legumes e verduras. 

O documento prioriza o consumo de alimentos in natura ou minimamente processados, e atualiza recomendações do Ministério da Saúde sobre o que deve ser levado à mesa. O último guia havia sido elaborado em 2006. 


Editoria de Arte/Folhapress

"Não estamos propondo um regime ou tratamento. A gente está pensando numa alimentação para prevenir problemas", afirma Carlos Monteiro, professor da USP e coordenador de equipe técnica que elaborou o guia. 

O texto é ilustrado com combinações saudáveis para as refeições do dia a dia e serve de referência para escolas e profissionais de saúde, por exemplo. 

A intenção é reforçar a importância do consumo de alimentos em detrimento de produtos. "A barra de cereal é uma reengenharia de alimentos, não há garantia de que funcione da mesma maneira que os alimentos originais", exemplifica Monteiro. 

O ministro Arthur Chioro (Saúde) destaca que, se antes o que prevalecia era o tamanho das porções, agora a abordagem é "mais qualitativa". "Não estamos proibindo nada. Ninguém está dizendo 'não use sal, tire o açúcar'", disse à Folha

Para o nutrólogo Celso Cukier, o importante é tirar os alimentos ultraprocessados do cotidiano, limitando-os a momentos eventuais. "Na medida do possível, temos que buscar essa substituição", diz ele, médico do Hospital São Luiz e presidente do Instituto de Metabolismo e Nutrição. 

As sugestões do guia não se limitam ao tipo de alimento a ser consumido, mas também à forma como o consumo acontece. Esse viés ganhou destaque diante do perfil atual da população: um em cada dois adultos têm excesso de peso no país. 

Mudar essa realidade requer também hábitos saudáveis, como comer em companhia de familiares ou colegas de trabalho e evitar ambientes onde "haja estímulos para o consumo de quantidades ilimitadas de alimentos". 

"Refeições feitas em companhia evitam que se coma rapidamente", afirma trecho do guia. "Compartilhar com outra pessoa o prazer que sentimos quando apreciamos uma receita favorita redobra este prazer." 

O modelo de recomendações e alimentos sugeridos pelo texto é elogiado pelo americano Nicholas Freudenberg, professor de saúde pública da Universidade da Cidade de Nova York e autor de livro sobre o assunto. 

Para ele, guias, que, ao contrário do modelo brasileiro, são baseados em quantidades de consumo adequado de açúcar, sal ou gordura, por exemplo, favorecem a indústria de alimentos.

"Isso permite [à indústria] manipular alguns ingredientes para fazer os produtos parecerem mais saudáveis, como por exemplo adicionando vitaminas a cereais com alto índice de açúcar", diz. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O blog Olhar de Coruja apoia AMIR SANTOS - No 5 - candidato a DIRETOR DE PLANEJAMENTO NA PREVI