23 outubro, 2014

Ambição faz Dilma dizer coisas em que não crê, diz FHC

DAVID FRIEDLANDER

Para o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, nesta campanha, Dilma Rousseff (PT) mostra até que ponto a "ambição pelo poder" leva um político a mentir para ganhar uma eleição.
"Ela não pode acreditar no que está dizendo. É verdade que fizemos a estabilização, que iniciamos os programas sociais. Dizer que não, para ganhar a eleição, me entristece", afirmou à Folha.
Nesta entrevista, FHC fala das chances de seu candidato Aécio Neves (PSDB) vencer a disputa ao Planalto e elogia a "lealdade" do tucano ao defender seu governo (1995-2002), algo que José Serra e Geraldo Alckmin não fizeram nas eleições anteriores.

Marlene Bergamo 29.jan.2014/Folhapress
O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso durante entrevista, no Instituto FHC
O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso durante entrevista, no Instituto FHC
*
Folha - Pesquisas mostram que Aécio Neves chega à reta final com menos força do que quando começou o segundo turno. O que aconteceu?
Fernando Henrique Cardoso - O que aconteceu com a Marina Silva [PSB]? Foi submetida a um bombardeio enorme. O bombardeio em cima do Aécio é enorme também. Ele tem resistido bem. Se for ver a quantidade de afirmações sobre o Aécio, sobre o PSDB ou sobre o meu governo que são falsas... E ainda assim ele chega competitivo. Os dados da pesquisa não são a palavra final. Ainda temos quatro dias.
O PT usou seu governo para desgastar Aécio. O sr. acha que a avaliação de sua gestão prejudica os candidatos do PSDB?
Se fosse isso, Aécio não estaria onde está. Veja, qual foi a tática do PT? Demonizar tudo o que fizemos. Nunca fui favorável à privatização indiscriminada, nunca quis privatizar o Banco do Brasil ou a Petrobras. Vejo a presidente Dilma se rebaixar a dizer que eu ia mudar o nome da Petrobras...
Aécio diz que esta é a campanha de mais baixo nível mais baixa desde a redemocratização. O sr. concorda?
Difícil dizer. O ataque maior hoje não é nos debates. É nas redes sociais. Eles dizem de tudo.
Dizem que o eleitor não gosta, mas a pancadaria funcionou com a Marina...
Aécio tem uma virtude: resiliência. Está em pé, com tudo isso aí. Agora fizeram uma nova distorção, que ele é agressivo. Ele não agrediu a Luciana Genro (PSOL). Disse que ela tinha feito uma coisa leviana. Isso não é agressão. Se você trata as mulheres com respeito, toma a sério as palavras que elas dizem. Respeitar a mulher é tomá-la como um competidor à altura.
Em seu aniversário de 80 anos, Dilma mandou carta elogiosa ao sr. Agora, na campanha, ela o critica. Essa mudança de postura o surpreendeu?
Nunca ataquei a Dilma pessoalmente. Discuto a política dela. Eu fiquei um pouco, digamos, entristecido de ver até que ponto a ambição pelo poder leva as pessoas a dizerem o que não creem. Ela não pode acreditar no que está dizendo. É verdade que nós fizemos a estabilização, que iniciamos os programas sociais. Dizer que não, para ganhar a eleição, me entristece. Que o Lula diga, não me incomodo. Ele diz qualquer coisa, é macunaímico'. Mas não considero a Dilma macunaímica'. A respeito.
Por que o sr. acha que Aécio conseguiu chegar mais longe do que José Serra (2002 e 2010) e Geraldo Alckmin (2006)?
Dizem que ele decidiu enfrentar as questões [críticas do PT à gestão de FHC]. Não acho que seja tanto isso. O que foi feito por mim, pertence à história. Agora, ele mostrou uma coisa que o povo valoriza: lealdade. Não fugiu da briga. E isso mostra caráter: esse cara tem lado'.
E Serra e Alckmin?
Não culpo nem Geraldo, nem Serra. Eles tinham lado também. O momento não era favorável. Não adianta dizer as coisas quando as pessoas não querem ouvir. Lula passou dez anos tentando destruir o que fiz. Neste momento, como a situação piorou, as pessoas abriram os ouvidos.
Esta semana, Lula comparou os tucanos aos nazistas.
Ele deu declarações no passado de que tinha admiração pelo Hitler [numa entrevista à Playboy, em 1979, Lula disse que admirava a obstinação do líder nazista, não sua ideologia]. Vou chamar o Lula de nazista por isso? Ele é inconsequente, diz qualquer coisa.
Lula usou a comparação para dizer que os tucanos querem destruir o PT...
O PSDB quer ganhar a eleição, não destruir o PT. O Lula inverte os argumentos.
Marina Silva deveria ter cargo num governo Aécio?
Não sei se a Marina iria querer participar, mas as ideias dela têm que estar presentes, se não por ela, por alguém.
Aécio tem usado o escândalo da Petrobras para atacar o governo Dilma, mas o ex-presidente do PSDB, Sérgio Guerra, foi citado como beneficiário do esquema.
A menção é de um advogado que diz que o cliente disse isso. É muito vago. Tem que investigar, mas é muito vago e eu não posso ir além.
A presidente costuma rebater as acusações de Aécio dizendo que, no seu governo, nada era investigado...
Não é verdade. Não tinha base para seguir adiante. Alguns foram para a Justiça. Não tinha nada.
O PT diz que a corrupção aparece mais agora porque o governo Dilma investiga...
A defesa deles é: O outro também fez". Isso é ruim, deseduca. A repetição leva à crença de que todo mundo participa desse sistema.
Aécio prega o fim da reeleição, que o sr. instituiu...
Não vou me opor. Pessoalmente, sou favorável ao sistema de reeleição. Acho que é cedo para mudar.
A falta de água em São Paulo pode prejudicar Aécio?
Foi feita uma pesquisa interna e ela mostra que o eleitor votaria de novo em Alckmin para governador, então...
O sr. mora em Higienópolis, é abastecido pelo Cantareira. Tem água em casa?
Em casa tem. Sou econômico em tudo, até na água!

FOLHA-UOL

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O blog Olhar de Coruja apoia AMIR SANTOS - No 5 - candidato a DIRETOR DE PLANEJAMENTO NA PREVI