18 setembro, 2014

PT lidera só em um dos dez estados com mais eleitores

Aposta do governo federal, a senadora Gleisi Hoffmann aparece apenas em terceiro lugar na disputa pelo governo do Paraná


Partido de Dilma Rousseff aparece na frente apenas em Minas Gerais, terra do tucano Aécio Neves. Nos demais colégios eleitorais, coleciona fracassos

A menos de três semanas para o primeiro turno, o PT lidera as pesquisas em apenas uma disputa estadual dentre os dez maiores colégios eleitorais do país. Somente três candidatos da sigla aparecem em segundo lugar, enquanto outros quatro estão na terceira colocação ou abaixo. Nas duas unidades da federação em que abriram mão de nome próprio para apoiar um partido aliado, as chapas dos petistas também aparecem em desvantagem.

INFOGRÁFICO: Veja as intenções de voto nos dez maiores colégios eleitorais
Desempenho ruim está ligado a desgaste e prioridade
 
As dificuldades do PT nas disputas estaduais estão ligadas ao desgaste do partido após escândalos de corrupção como o mensalão e à estratégia de privilegiar as alianças em torno da reeleição da presidente Dilma Rousseff. “Foi uma aposta bem clara: os petistas aceitam o prejuízo nos estados para garantir um palanque nacional mais forte”, analisa o cientista político Valdir Pucci, da Universidade de Brasília.
 
Em linhas gerais, o partido pode até ter preferido lançar candidatos próprios na maioria dos estados com mais eleitorado, mas se preocupou em não entrar em confronto com aliados. O maior exemplo disso é o Rio de Janeiro, onde os quatro primeiros colocados, segundo o Datafolha, apoiam Dilma. O candidato do partido, Lindbergh Farias, está em quarto, com 12%, atrás de Marcelo Crivella (PRB), com 19%, e Anthony Garotinho (PR) e Luiz Fernando Pezão (PMDB), ambos com 25%.
Prejuízo
 
Especialista em pesquisas eleitorais, a cientista política Luciana Veiga, da Universidade Federal do Paraná (UFPR), diz que Dilma deve ser mais prejudicada nos estados em que a oposição conseguir vencer no primeiro turno. “Nesses casos há uma desmobilização da campanha e o eleitor trabalha com a lógica do candidato a presidente que mais vai ajudar o governador eleito”, diz. “Também parece haver uma sensação generalizada de que a insatisfação dos eleitores com o PT é maior do que a insatisfação com a Dilma.”
 
O fraco desempenho do partido nesses estados, que concentram 76% dos votantes do país, é um obstáculo para a candidata da legenda, Dilma Rousseff, na corrida presidencial. A situação está mais complicada em São Paulo, Bahia e Paraná, onde a oposição aparece com chances de conseguir a maioria para fechar o pleito no primeiro turno.

O único oásis petista no momento é Minas Gerais. Na terra natal de Aécio Neves (PSDB) e Dilma, o ex-ministro do Desenvolvimento, In­­dústria e Comércio, Fer­­nando Pimentel (PT), tem 43% das intenções de voto contra 23% do tucano Pimenta da Veiga, de acordo com o Ibope. O cenário mineiro é particularmente ruim para Aécio, que, além de distante de Dilma e Marina nas eleições para o Planalto, pode perder uma hegemonia de 12 anos no comando do governo mineiro.

O favoritismo recente do PT em Minas contrasta com a situação nos únicos dois estados entre os dez de maior eleitorado que são administrados atualmente pelo partido. No Rio Grande do Sul, Tarso Genro busca a reeleição e está em segundo lugar, atrás da senadora Ana Amélia Lemos (PP) – 28% a 37%, segundo o Datafolha. Na Bahia, Paulo Souto (DEM) tem 46% contra 24% do petista Rui Costa, candidato do governador Ja­­ques Wagner, de acordo com o Ibope.
 
Em São Paulo, maior co­­légio eleitoral do país, Ge­­raldo Alckmin (PSDB) aparece no Datafolha com 49%, mais que o dobro do segundo colocado, Paulo Skaf (PMDB), que soma 22%. Apos­­ta pessoal do ex-presidente Lula, o ex-ministro da Saúde Alexandre Padilha (PT) tem apenas 9%. A rejeição dos eleitores paulistas ao petismo têm sido fundamental para a ascensão de Marina Silva (PSB), que na mesma pesquisa desponta com 40%, contra 26% de Dilma e 16% de Aécio.
 
No Paraná, a lógica muda. Enquanto a senadora Gleisi Hoffmman (PT) tem 10%, atrás de Roberto Requião) (PMDB), com 28%, e Beto Richa (PSDB), com 44%; Dilma está empatada tecnicamente com Marina na preferência dos paranaenses, com 32% contra 28%. A mesma sondagem do Datafolha coloca Aécio com 22%.
 
No Pará e em Pernambuco, o PT não lançou candidato próprio e apoiou candidatos de legendas da base aliada ao governo Dilma. Na disputa paraense, os petistas estão na chapa de Helder Barbalho (PMDB), que aparece com 38% contra 42% do atual governador, Simão Jatene (PSDB), segundo o Ibope. Na pernambucana, o partido está na coligação de Armando Monteiro (PTB), que está com 32% contra 38% de Paulo Câmara (PSB), pelo Ibope.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

O blog Olhar de Coruja apoia AMIR SANTOS - No 5 - candidato a DIRETOR DE PLANEJAMENTO NA PREVI