28 setembro, 2015

Carlos Neri omite fatos fundamentais no Informativo sobre a Cassi.













A última proposta divulgada pelo Banco do Brasil no site “Cassi em Debate” é um desrespeito com todo o funcionalismo e com o movimento sindical. O informativo é um exemplo da prática recorrente do diretor Carlos Eduardo Leal Neri, da Diretoria de Relacões com funcionários e Entidades Patrocinadas (DIREF), ocultando parte da realidade para pressionar o funcionalismo aceitar, por medo, uma proposta que só interessa ao banco.

A proposta omite que o próprio BB, na ultima reunião de negociação, apresentou alternativas emergenciais que garantem uma saída para CASSI fechar o ano. O banco afirmou que existem recursos provenientes de acertos do PAS - Programa de Assistência Social - que são devidos pelo banco à caixa de assistência e que podem ser repassados. Também informou que há recursos provenientes de recolhimento de contribuições sobre benefícios do INSS, que não estavam no convênio, e outros que estão sendo apurados.

O informativo também não fala que já não houve acordo com as entidades que participam da mesa de negociação com a proposta apresentada no boletim. Outra omissão é a de que é preciso da aprovação dos representantes eleitos da CASSI para alcançar a maioria no conselho deliberativo e levar a proposta para votação no funcionalismo. Não existe voto de minerva na CASSI.

A proposta de transferir as atuais contribuições dos aposentados, com a criação de um fundo administrado pela BB-DTVM, mostra de forma muito clara qual é o objetivo do banco: livrar-se de toda e qualquer responsabilidade com a CASSI e com a saúde de seus trabalhadores. Não podemos cair no mesmo erro cometido em todas as outras reformas estatutárias, quando em troca de aportes circunstanciais, abrimos mão de direitos. E é lamentável que a CONTRAF/CUT e os maiores sindicatos do país não tenham publicado notas esclarecendo o funcionalismo destas questões e denunciado a postura do Neri como completamente inaceitável.

Nossa postura continuará sendo a mesma. Vamos continuar denunciando as manobras da direção do BB e lutando para que a CASSI seja um dos pontos centrais da campanha salarial. Porque só com muita luta vamos conseguir mudar a postura do banco.

É por isso achamos importante a nossa participação na mesa de negociação. Cobramos que a CONTRAF/CUT mude sua postura, porque é a única entidade que, até agora, não aceita minha presença na mesa.

Juliana Publio Donato 
Representante dos Funcionários no Conselho de Administração do BB
 

Um comentário:

  1. Ou traduzindo em poucas palavras: o que a Contraf/Cut quiser, vai passar. Simples assim! Quem decide hoje em dia o que vai acontecer com Previ, Cassi, pos-laboral etc etc etc é o funcionário genérico (aquele que entrou depois de 1997).

    ResponderExcluir

O blog Olhar de Coruja apoia AMIR SANTOS - No 5 - candidato a DIRETOR DE PLANEJAMENTO NA PREVI