03 novembro, 2017

A ministra sem noção


6.mai.2016 - TCE-BA
A ministra dos Direitos Humanos, Luislinda Valois, em foto tirada na Bahia em 2016
A ministra dos Direitos Humanos, Luislinda Valois, em foto tirada na Bahia em 2016



Existem os ministros insensatos, existem os ministros sem noção e existe a ministra Luislinda Valois. Titular dos Direitos Humanos, ela apresentou um pedido inusitado. Queria furar a regra do teto constitucional para acumular vencimentos e receber R$ 61,4 mil por mês.

Como ex-desembargadora, Luislinda tem direito a uma aposentadoria de R$ 30,4 mil brutos, paga pelo Tribunal de Justiça da Bahia. O cargo que ela ocupa no governo oferece salário de R$ 30,9 mil brutos.

A Constituição estabelece que nenhum servidor pode receber mais do que o subsídio dos ministros do Supremo. Por isso, o contracheque da ministra é mordido pelo chamado abate-teto. Nos últimos meses, o desconto foi de R$ 27,6 mil.

Somando a fatia intocada do salário à generosa aposentadoria do Judiciário, Luislinda ainda recebe R$ 33,7 mil brutos. É o suficiente para garantir seu lugar no topo da pirâmide social brasileira. Segundo a PNAD, o rendimento médio domiciliar no país é de R$ 1.226.

Mesmo assim, a ministra se considera desafortunada. No requerimento revelado pelo jornal "O Estado de S. Paulo", ela se queixou do corte e afirmou que sua situação "se assemelha ao trabalho escravo".

Filiada ao PSDB, Luislinda passou o Dia de Finados tentando defender o indefensável. "O Brasil está sendo justo comigo?", questionou à Rádio Gaúcha. "Como é que eu vou comer? Como é que vou beber? Como é que vou calçar?", prosseguiu, em protesto contra o abate-teto.

À CBN a tucana argumentou que é obrigada a "se apresentar trajada dignamente". "É cabelo, é maquiagem, é perfume, é roupa, é sapato, é alimentação. Se eu não me alimentar, eu vou adoecer e aí vou dar trabalho para o Estado", disse.

Num governo insensível às minorias, a ministra dos Direitos Humanos era criticada por permanecer quase todo o tempo em silêncio. Pelo que se ouviu no feriado, seria melhor que ela continuasse assim. 


"Coitadinha" dessa ministra... só mesmo no Brasil, enquanto os trabalhadores passam por condições humilhantes de salários defasados, vem essa "ministra"se queixar de trabalho escravo. Isso é Direitos Humanos? 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O blog Olhar de Coruja apoia AMIR SANTOS - No 5 - candidato a DIRETOR DE PLANEJAMENTO NA PREVI