25 junho, 2015

Mais uma afronta dos valmistas.

Os eleitos da chapa 3 na PREVI continuam aprontando. Desta vez o Carvalho me inclui  numa lista de emails enviados a mais 42 destinatários, pasmem: posando de ofendido!  Ora, quem nós deve muitas explicações é o "colega" Carvalho. Vejam troca de emails: 

Prezada Isa,
Li com atenção a sua mensagem abaixo, postado em grupos e para vários colegas, em especial o último parágrafo. Posso até está enganado, mas, diferente AFABB-Ba, capitaneada pelo grupos de Meia Dúzia de 3 ou 4, do qual faço parte desde a fundação, não tive conhecimento de qualquer ação efetiva de sua autoria ou como Presidenta da FAABB ou Conselheira de outras grandes Associações sobre a aprovação/pagamento do Bônus aprovado pelo Conselho Deliberativo da PREVI no dia 31 de julho, com o voto de minerva e voto contrário dos eleitos.


Também li outras mensagens a mim endereçadas e não sei o alcance, considerando que informações nas redes sociais são incontroláveis.

Reproduzo o final do último parágrafo das postagem do dia 15 de junho (9.58 hs): Destaque meu.
“É uma grande deceção ver os eleitos apoiarem esse escárnio desviando nosso dinheiro para os bolsos de diretores. Isso é corrupção, gestão fraudulenta, roubo”.

De igual modo, reproduzo o último parágrafo de sua postagem do mesmo dia 15 de junho (19.01). Destaque meu.
“Ao usar o dinheiro da Previ para pagar bônus ou remuneração variável quem deicidiu/aprovou/assinou isso está desviando recursos da PREVI.
 É o que penso e pretendo provar na Justiça”.

Diante dos desgastes que tenho sofrido, por acusações levianas e sem fundamento e já ter me manifestado nas redes sócias, onde estou sendo atacado para alguns colegas que afirmam que o conselho decidiu em causa própria, solicito sua gentileza de confirmar ou não o quanto Você registrou em suas mensagens em destaque.

Fico no aguardo de sua resposta.

Abraço,
Carvalho.

 
                      ************************************************
                             
Carvalho,

Eu estou surpresa com os seus questionamentos à Presidente da FAABB, posto que, a indignação dela é a mesma de todo o corpo de associados da PREVI que se sentiu vilipendiado com oficialização do estelionato praticado contra todos nós com o intuito de obter vantagem ilícita para uma casta de aproveitadores, cada vez mais perigosa, que se aboleta no nosso fundo de pensão.

Um exemplo disso é você. Em sua campanha prometeu mundos e fundos, uma vez lá, não reconhece nem mais o trabalho de nossa maior batalhadora, ou seja, de Isa Musa.

Meu caro, caia na real, o nome disso é corrupção. Além do que, quer nós tirar também o direito à indignação?

Veja bem, você se submeteu ao cargo, se ofereceu em “sacrifício”,  fez mil promessas, tá reclamando de quê, ou do quê? O desgaste ao seu nome pesa muito menos do que o prejuízo aos cofres da PREVI, ou seja: aos nossos bolsos.

Ah! Quero, desde já, deixar claro que não tenho competência para administrar qualquer cargo remunerado tanto da PREVI quanto da CASSI, mas, se tivesse, teria sim, que prestar contas de todas as minhas atitudes àqueles que, por ventura, tivessem me elegido.

Tenha hombridade!

Leopoldina Corrêa

 
                        ************************************************
           RESPOSTA DA ISA MUSA

Prezado Carvalho,

É natural que você, não sendo dirigente de nenhuma das Associações filiadas à FAABB não tenha conhecimento de que a FAABB representou em 19/08/2014 junto ao Ministério da Previdência, e junto a PREVIC  contra a decisão anunciada Oficialmente pela PREVI em 11/08/2014 . Também é fato de que a FAABB sabe, apoiou e apoia a Ação Judicial movida pela filiada AFABB BA, presidida pelo Pedro Paulo Portela Paim, contra o bônus. Como a AFABB BA ingressou com a ação, obteve Liminar ainda não cassada, entende a FAABB que não há necessidade de outras filiadas fazerem o mesmo. Se a ação da AFABB BA tivesse sofrido algum percalço, então sim, seria oportuno a FAABB em nome de todas outra filiada protocolar outra ação.


Contudo, como as coisas na PREVI raramente ocorrem às claras, talvez você sequer saiba que recebi até carta da PREVI, me ameaçando de processo, por eu ter denunciado às autoridades esse escárnio que é o bônus. Talvez você não saiba porque quem assinou a carta ameaçadora foi um presidente da Previ em breve exercício, o Marcos Geovanne. 


E reitero que fico mesmo decepcionada em ver agora, a PREVI regular o bônus trocando de nome.... Justificando que cedidos devem ganhar PLR ou bônus, ou remuneração variável. Reitero que a PREVI não é Banco, não produz lucros. No BB, quem decide que vai pagar remuneração variável e/ou PLR é a Assembleia Geral de Acionistas do Banco do Brasil. Os acionistas abrem mão de parte do lucro do Banco do Brasil para premiar funcionários com PLR e remuneração variável. A PREVI não é Banco, não dá lucro, não pode decidir que vai premiar empregados ou diretores com bônus, PLR ou remuneração variável, pois está desviando recursos do patrimônio da PREVI. Quem quiser ir cedido ou eleito, ou indicado para trabalhar na PREVI que vá sabendo que Fundo de Pensão não dá lucro, então não paga nada mais do que os salários normais (que para o Presidente e Diretores já são bem gordos).


Assim, novamente agora e com mais força em função de que a Liminar da ação passada sequer foi cassada, a FAABB anexou a essas Representações que já fizemos ao MPS e à PREVIC, Manifesto com novas denúncias sobre a irregularidade.


A Lei Complementar 109/2001 diz exatamente o que fazer quando um Fundo de Pensão dá superávit. Manda:


“Art. 20. O resultado superavitário dos planos de benefícios das entidades fechadas, ao final do exercício, satisfeitas as exigências regulamentares relativas aos mencionados planos, será destinado à constituição de reserva de contingência, para garantia de benefícios, até o limite de vinte e cinco por cento do valor das reservas matemáticas.

        § 1o Constituída a reserva de contingência, com os valores excedentes será constituída reserva especial para revisão do plano de benefícios.

        § 2o A não utilização da reserva especial por três exercícios consecutivos determinará a revisão obrigatória do plano de benefícios da entidade.”

Não há lei ou norma nenhuma que permita a um Fundo de Pensão verter recursos em PLR, bônus, prêmios ou remuneração variável para quem quer que seja quando “sobram” recursos ou superávits. 

Att
Isa Musa



 

5 comentários:

  1. Prezada Isa Musa:

    por favor, não desista.
    Esta gentalha da Previ é intragável. Precisamos de ações como a da Senhora.
    O que está acontecendo com a Previ? Parece que lá não existem mais valores a ser preservados.
    Vá em frente!

    ResponderExcluir
  2. Cara e combativa Leopoldina. E, ainda há quem defenda a chapa 3 e diga que não "se cola" ao grupo do Sr. Valmir. Parecem não conhecer a historia de Anabb, Previ e Cassi. Ou ingenuidade ou conveniência.

    ResponderExcluir
  3. Leopoldina, que bom vê-la de volta.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada. Pena não saber quem eu estou fazendo falta.
      Abraços

      Excluir

O blog Olhar de Coruja apoia AMIR SANTOS - No 5 - candidato a DIRETOR DE PLANEJAMENTO NA PREVI