20 maio, 2013

FUNDO DE PENSÃO - CONSIDERAÇÕES ACERCA DA RETIRADA DE PATROCÍNIO

Senhores,

          Participei hoje, em nome da FAABB, como ouvinte, da Reunião do Conselho Nacional de Previdência Complementar que aprovou o texto definitivo da Resolução de Retirada de Patrocínio. Resolução essa que sequer ainda tem número, eis que somente dentro dos próximos dias será publicada no DOU. A propósito, não temos em mãos o texto definitivo que foi aprovado, pois a minuta foi projetada em tela, analisada e votada artigo por artigo, alterada ali mesmo, no data-show, e ao final da Reunião, já por volta das 19 horas, a assessoria do Ministério informou que tão logo edite a mesma, iria enviar aos Conselheiros e ouvintes e finalmente publicada no DOU.

          A ANAPAR apresentou vários destaques todos eles consoantes com nossas expectativas de direitos, porém perderam a maioria dos destaques por cinco a quatro.

          A composição do Conselho é evidentemente nociva a nós, pois a maioria é Governo e patrocinadores. Sobra a participantes e assistidos a representação da ANAPAR, donde que se conclui que esse “Conselho” é uma fraude, uma piada de mau gosto onde a parte frágil – participantes e assistidos – possui uma só voz contra oito interesses antagônicos. Jamais qualquer vírgula que nos beneficie em detrimento dos interesses de governo e patrões tem chance de ser aprovada.

Os membros do Conselho:

Jaime Mariz de Faria Junior
– Titular - Secretário de Política de Previdência Complementar do Ministério da Previdência Social – MPS;

José Maria Rabelo
- PREVIC - Representante da Superintendência Nacional de Previdência Complementar;

Luiz Alberto dos Santos - Representante da Casa Civil da Presidência da República;

Marcus Pereira Aucélio - Representante do Ministério da Fazenda;

Murilo Francisco Barella - Representante do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão;

Reginaldo José Camilo - Representante das Entidades Fechadas de Previdência;

Gema de Jesus Ribeiro Martins - Representante dos Patrocinadores e Instituidores de planos de benefícios das entidades fechadas de previdência complementar;

Marcelo Macêdo Bispo
- Representante dos patrocinadores e instituidores de planos de benefícios das entidades de previdência complementar;

José Ricardo Sasseron - Representante dos participantes e assistidos de planos de benefícios das entidades fechadas de previdência complementar.

Como ouvintes, estávamos, dentre outros, a AAFBB, a ANABB e a FAABB, e deixamos a reunião com o firme propósito de apresentarmos reação imediata aos descalabros dessa Resolução. A AAFBB e a FAABB irão reunir seus advogados para decidir quais serão as medidas jurídicas a serem impetradas.

Ainda que sem o texto definitivo da Resolução de Retirada de Patrocínio, pelo que ouvimos a FAABB avalia que a norma é cruel, nociva e fere direitos adquiridos e o ato jurídico perfeito.

Sem adentrar nos inúmeros artigos que ferem direitos, lembramos que ainda que a possibilidade do Banco do Brasil ou outras Estatais queiram se retirar de seus planos de benefício definido possa ser remota no momento presente, a Resolução dá todas as condições para que tal retirada se efetive com evidentes prejuízos aos nossos interesses.

A crueldade que salta aos olhos e revela toda a truculência de um Governo insensível e autoritário está expressa no parágrafo quinto do inciso segundo do artigo oitavo que determina que a responsabilidade pelo pagamento de benefícios cessa após cinco anos (sessenta meses) após o que determinam os cálculos de sobrevida independente da tábua de mortalidade utilizada. Significa que aqueles que viverem mais do que o “previsto”, seja oitenta ou oitenta e cinco anos, só terão assegurados seus benefícios por mais cinco anos.

A Resolução ainda coloca uma barreira a possíveis ações judiciais, pois em um de seus artigos determina que aquele que fizer a opção que for colocada à época da retirada de patrocínio “implica assunção, pelos respectivos participantes e assistidos, da responsabilidade pela totalidade das obrigações e com o custeio do plano”.

Define ainda a Resolução que participantes e assistidos exercerão seu direito de opção individualmente, escolhendo entre:

I – pela adesão ao plano instituído por opção, quando cabível, mediante prévia e expressa manifestação individual;

II – por sua transferência para outro plano....

III – pelo recebimento em parcela única

IV – pela combinação dos itens II e III

MAS... DIZ que caberá à entidade fechada apresentar aos participantes e assistidos proposta de transferência de recursos em negociação COLETIVA, objetivando ganho de escala.

Ou seja, diz que cada um pode optar por decidir o que quer, mas imediatamente abre a possibilidade dessa decisão ser efetivada por meio de negociação coletiva, ou seja... Destrói a possibilidade de escolha.

Uma análise mais circunstanciada e aprofundada da Resolução será feita tão logo a divulgação do texto definitivo ou sua publicação no Diário Oficial da União, mas a FAABB pode adiantar que se trata de um ato violento, truculento e que se HOJE o Banco do Brasil, ou Petrobras, Caixa, não têm interesse em se retirar do Plano 1, quando assim decidir no futuro o farão arrasando com os direitos e garantias e fundamentais do contrato de trabalho, das cláusulas pétreas e do ato jurídico perfeito, razão pela qual iniciaremos nossas medidas preventivas já, sem demora.

Tal avaliação é minha, pelo que assisti. Naturalmente uma vez divulgado o texto definitivo, outros poderão ter visões melhores... Ou piores. Desnecessário dizer que gostaria muito de estar enganada e vendo tempestades em copos de água.

Isa Musa de Noronha

Presidente da FAABB



COMENTÁRIOS ENTRE: 

ISA MUSA E 
GILBERTO SANTIAGO
 Caro Gilberto,

De Leis, emendas e Resoluções

          Se perguntarmos a qualquer economista que não tenha nenhuma relação com planos de benefícios de previdência complementar como ele avalia o sistema temos muita chance de ouvir dele que se trata de operações mercantis, de mercado, fortes investidores institucionais onde o participante e assistido é mero detalhe.
          Somos forçados a concordar com ele. Assistindo a participação dos representantes do Governo, da ABRAPP e dos que falam pelos patrocinadores e instituidores na ultima reunião do Conselho Nacional de Previdência Complementar pude avaliar com profundo desânimo que é isso mesmo! Sucessivas alterações legais sejam através de Leis Complementares, Emendas ou Resoluções, descaracterizaram o sistema de previdência complementar que deixou de ser uma opção segura para o trabalhador no futuro poder complementar os benefícios da previdência oficial, para ser uma aposta... Um tiro no escuro: sabe-se como se entra, mas ninguém tem a mínima segurança do que o espera quando completar 30, 35, anos de trabalho e tiver o direito de se aposentar.
          O Governo está decidido a fomentar a Previdência Complementar flexibilizando normas de modo a mostrar aos empresários que há uma porta de entrada no sistema, com vantagens legais, incentivos fiscais, e uma larga porta de saída, por onde esse empresário passará quando bem entender. Ao mesmo tempo, estranhamente, mostra ao empregado uma estreita porta por onde ele entra sabendo o que tem que pagar, mas não lhe dá nenhuma garantia do quanto poderá receber ao final da jornada laborativa. O empregado ao passar pela porta de entrada encontra cômodos gelados, encruzilhadas tortuosas e um longo e sombrio corredor que leva ao futuro.
          A caçada aos recursos patrimoniais dos fundos de pensões começo em 1998, com a Emenda Constitucional n° 20 de 15/12/1998, no Governo FHC. Naquela norma o Governo interferia decididamente na liberdade de negociação entre empregados e patrocinadores ao fixar que a contribuição somente poderia Sr paritária. Antes, havia patrocinadores que como incentivo extrafolha para seus empregados, pagavam contribuições na proporção de 2x1, 3x1, para o fundo de pensão. Outras ainda sequer cobravam contribuições de seus empregados. Desnecessário dizer que tal Emenda, criada em 1998, jamais poderia fazer valer seus efeitos sobre o Plano de Benefícios n° 1 da Previ, fechado em 1997 e em processo de extinção. Isso se vivêssemos no melhor dos mundos jurídicos, onde seria respeitada a máxima de que a Lei não ferirá o direito adquirido e o ato jurídico perfeito.
          Ainda nos anos FHC foram promulgadas as Leis Complementares 108 e 109, já estabelecendo clara discriminação entre participantes e assistidos do regime fechado de previdência complementar dos cidadãos que aderissem aos planos abertos. E mais: foi cunhada a força do patrocinador através do “Voto de Qualidade” para as decisões do Conselho Deliberativo e invadiu a liberdade dos Fundos ao determinar quantos são os membros e qual a composição dos conselhos, além de extinguir a figura do corpo social que no passado tinha o poder de votar e vetar as contas do Fundo.
          Caminhando em seu intento de transformar a previdência complementar em empresa mercantil, o Governo, esse agora já na era Lula, redigiu a Resolução 26, que dá a patrocinadores a metade dos recursos excedentes (reserva especial) apuradas ao final do exercício. Ou seja, dá claro recado ao Mercado: “fundo de pensão quando dá “lucro”, a empresa fica com a metade”.
          O Governo a ABRAPP e os representantes de patrocinadores e instituidores tratam superávit como lucro, o patrocinador como maior beneficiário de um fundo de pensão e participantes e assistidos como passivos atuariais que quanto mais velhos mais pesam contra seus interesses.
          A mais recente aparição fantasmagórica da “Caixa de Pandora” do Governo é a Resolução de Retirada de Patrocínio, quando ao escancarar a ponta de saída para empresários manda um bom alerta aos corajosos funcionários públicos que podem pretender aderir ao FUNPRESP.... “Podem entrar que a casa é sua, mas como você sairá? Sei não... Melhor perguntar ali no Posto Ipiranga.”

              Na Caixa de Pandoroa, todos sabem...era na verdade um grande jarro dado a Pandora e que continha todos os males do mundo. Então Pandora, com sua curiosidade, abriu o frasco, e todo o seu conteúdo — exceto um item — foi liberado para o mundo. O item remanescente foi a esperança.

         O que nós participantes e assistidos da PREVI podemos concluir é que nossas batalhas em defesa de nossas aposentadorias e pensões é uma guerra contra políticas de Governo. Qualquer Governo.
Isa Musa


/:/://:/://:/://:/://:/://:/://:/://:/://:/://:/://:/://:/:/

Isa,
Voce tem inteira razao quanto a nocividade desta Resolucao que esta' escrevendo mais um capitulo desta extensa novela governamental de avanco nos direitos elementares dos participantes e assistidos dos Fundos de Pensao. Nao respeitam nem mesmo as clausulas petreas constitucionais dos direitos adquiridos e do cumprimento de compromissos contratuais. A ganancia na apropriacao de nossos recursos esta' expressa no desrespeito ao ser humano que foi compelido a ingressar em um Plano de previdencia , com a promessa de uma aposentadoria digna apos ter contribuido dezenas de anos e se depara agora com a ameaca de ser descartado , por ter cometido o crime de continuar vivo acima da expectativa da tabua de sobrevivencia.
O que vimos na reuniao do CNPC foi aquilo que os mais experientes previam:a reedicao da fabula do lobo e o cordeiro, onde de nada valeriam os argumentos dos indefesos e esforcados representantes da Anapar , da Abrapp e da Apep , ante o discurso orquestrado dos indicados pelos orgaos governamentais, com a rara excecao do Superintendente da Previc , Jose' Maria Rabello , que ainda tentou , no julgamento de alguns destaques, defender o ponto de vista dos participantes e assistidos.
Para que serve termos representacao no CNPC e perdermos sempre , diante da maioria esmagadora dos interpretes dos desejos e aspiracoes dos patrocinadores?
Com base nas anotacoes que fizemos como representante da AAFBB e assistente da reuniao do CNPC, estaremos apresentando um relato mais detalhado e um resumo dos destaques , a votacao de cada um e sua fundamentacao. Nas vezes em que um deles foi aprovado deveu- se essencialmente a, naquele caso especifico, nao ter contrariado os interesses dos patrocinadores.


Gilberto Santiago.
 

26 comentários:

  1. Caras Leopoldina e Isa Musa, creio haver duas medidas a serem tomadas.
    Uma delas nos mandaria a todos para a prisão.
    A outra, infelismente nem sempre favorável, é recorrermos à JUSTIÇA preventivamente.
    Agradecemos a prestesa das informações e o trabalho.

    ResponderExcluir
  2. Uma verdadeira falta de vergonha, o descaramento ultrapassou todos os limites possiveis que se poderia imaginar que acontecesse, nem na ditadura tiveram a ousadia e a falta de vergonha de fazer isto que está sendo feito agora.

    ResponderExcluir
  3. No sistema capitalista os governos são os representantes dos interesses dos detentores do capital, damos aval a isto quando participamos de reuniões como esta do CNPC, da qual já sabemos que o resultado é para dar fidedignidade a decisões que só favorecem aos gestores em detrimento dos trabalhadores. Creio que não deveríamos participar deste conluio chamando as entidades de base e redes sociais para entrar na justiça previamente solicitando os nossos direitos.

    ResponderExcluir
  4. Tenho notado, ultimamente, que em quase todos os blogs que se refere aos aposentados da PREVI, tem-se falado de como é grande o poder da internet para nos mobilizar. Isso para termos uma ideia de como nosso raciocínio esta lento, só agora descobrimos a pólvora. Estou esperando para ver quando vamos descobrir que para, pelo menos, protelar essa luta, temos que nos unir e passar por cima muitas picuinhas que nos afasta uns dos outros. Criamos um mecanismo de defesa, entre nós, de a cada divergência que temos criar uma nova associação. Escondemos a cabeça feito avestruz. Não adianta desfazer as já criadas, mas é de importância "vital" que elas estejam alinhadas. Seus presidentes, diretores ou seja lá o que for precisam sentar em uma só mesa, já que o objetivo é único. As divergências pessoais nessa hora é o que menos importa. Temos que botar o pé dentro da PREVI e CASSI e para isso teremos que ter uma chapa "única", todas as associações e blogs indicando a mesma chapa. Nós somos muito fortes, mas se todos puxarem do mesmo lado do cabo de guerra. Temos verdadeiros crânios para encabeçar uma resistência, mas para tal teremos que ser humildes e saber renunciar em favor do grupo. Vamos lá gente, eu sei que podemos, procurem-se uns aos outros, e depois que vencermos discutiremos de quem são os louros. Eu imagino a alegria estampada nos rostos do inimigo quando nos vê pulverizados em inúmeras chapas. Dona Isa parabéns pela sua brava e incansada luta. Continue assim, mas lembre-se, tudo isso só vai valer a pena se estivermos unidos.

    ResponderExcluir
  5. Pois eu já estou é de s ... cheio dessa Dona Isa! Só tem notícia ruim! Nunca vi essa senhora nos dar nenhuma notícia boa. É terrorista, derrotista e só vê perseguição em tudo que nosso Governo faz. Nosso Governo Lula e Dilma tiraram da miséria milhões de brasileiros e essa Dona Isa vive em campanha contra o Governo! FORA DONA ISA!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dona Isa não está falando dos milhões de brasileiros tirados da miséria. Está falando de uma coisa séria em relação a categoria dos aposentados e assistidos que contribuíram durante longos anos para ter o padrão de vida mantido. E por baixo dos tapetes e das cortinas vem empresas de Pensão, como as nossas descartando-nos em reuniões que só se defendem interesses capitalistas, derrubando o que nos foi prometido quando aderimos ao Plano de Previdência. Não é politicagem que nos vai barrar agora. Ou já pensaram no que irão comer e vestir após os 80 ou 85 anos de idade?

      Sérgio Silva - Itajaí/SC

      Excluir
  6. Colega anônimo,
    Não tenho nenhum prazer pelas notícias desagradáveis, sou longe de ser terrorista e muito menos derrotista, caso contrário já teria parado com tudo e me dedicado a criar minhas galinhas na roça. Elas sim, toda manhã me ofertam a novidade de belos ovos fresquinhos.
    Não nego os avanços sociais dos Governos Lula e Dilma, antes, acompanho e avalio o quanto nosso país mudou durante esses anos. No entanto, é forçoso reconhecer que, no que diz respeito ao funcionalismo do BB e das Estatais como um todo, as ações governamentais têm sido duras. Ninguém pode esquecer, muito menos o Governo, que o funcionalismo estatal, capitaneado pelas Centrais Sindicais, entusiasticamente apoiou Lula e Dilma nas eleições presidenciais. No entanto, embora louvável que o governo petista tenha feito franca opção pelos descamisados, poderia ter dado uma boa dose de benevolência ao tratar as questões de nossas Caixas de Assistência e Previdência.
    Pelo menos não estou só na avaliação do governo petista. Colunistas de renome apontam que, segundo eles, “é bom, mas poderia ser melhor”.
    Veja em:
    http://www.advivo.com.br/blog/luisnassif/avancos-e-fragilidades-na-gestao-de-dilma?page=1
    Isa Musa de Noronha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. D. Isa, o colega tem um pouquinho de razão. Como dizem por aí os especialistas, superavit num plano de previdência é uma aberração, portanto, os patrocinadores, nesse novo mundo, vão querer dividir o bolo custe o que custar. Tamanhas derrotas tivemos na justiça de mentirinha do presidente Joaquim Barbosa que pensar que ela é a esperanca que ficou na caixa de Pandora é Maya, ou seja, ilusão. Por isso sou um critico dos presidentesd de nossas associacoes representativas que nao querem dar ré no beco sem saída que estamos, parados, estagnados enquanto nossos corpos vao pouco a pouco definhando. Podemos continuar lutando contra essas leis, resolucoes ed etcccc que tanto nos prejudicam, mas o que se está fazendo pra melhorar nossos beneficios? Vamos fechar as portas para negociacoes com o BB/Previ? Se concordarmos em dividir o superavit o que nos darão em troca? E se a divisão não depender de nossa concordancia, o que devemos fazer? Vamos continuar a reclamar só entre nós nesses blogs?
      Vem aí novas eleicoes, por que as pessoas que podem movimentar a massa não comecam desde já tratando de se unirem para enfrentrar nossos oponentes? Mova-se, d.Isa, a sra. tem poder e pode dar inicio a esse processo. Só vou torcer pra que escolham as pessoas certas pros lugares certos. Mais um detalhe: votarei sem pestanejar naquele que abrir mão de seu estipêndio, pelo menos diminua uns tres zeros.
      Sergio Sid.

      Excluir
  7. Anônimo 22 de maio de 2013 10:36,

    Eu não sei se fico com dó de você ou se rio. Em vez disso vou posta aqui um grande "elogio"ao seu admirável Governo Petista:

    http://www.youtube.com/watch?v=8Hp_KyLMV1E&list=TLm0Uh3fpCsLg.

    Leopoldina

    ResponderExcluir
  8. Prezado colega Sérgio Sid

    As sucessivas alterações legais transformaram nossas eleições Previ em um grande engodo. Na diretoria e conselhos a composição é paritária, sendo que no Deliberativo, instância máxima do Fundo, o Patrocinador tem o poder de veto pelo Voto de Qualidade. Assim, é um engano pensarmos que tudo se resolve elegendo A e não B.
    Evidentemente se todos os eleitos no Deliberativo tiverem posturas firmes na defesa de nosso interesses e sistematicamente votarem contra, obrigarão o uso do Voto de Qualidade sempre, o que, certamente, soará mal junto à sociedade.
    Nossas questões com relação a Previ passam mais pelo convencimento político do Congresso Nacional para que derrube normas que nos são prejudiciais, reforme leis que cassaram nossos direitos, fiscalize a atuação dos patrocinadores na gestão dos Fundos.
    Passam também pela nossa atuação nas eleições para Senadores e Deputados. Há muito não temos uma bancada a nosso favor. Veja que o Senador Pimentel, embora oriundo dos quadros do BB, é o mentor da Resolução 26 e Berzoini, outro "colega", também somente usa sua proximidade com a Presidente Dilma para seus próprios interesses.
    Temos de fazer intenso trabalho para eleger para o Congresso pessoas de bem que estejam comprometidas com a classe e nas eleições Previ (e Cassi), colegas competentes e que não se submetam ao Patrocinador.
    Quanto ao que se paga aos Dirigentes, isso é o que menos importa. Seria justo se nossos eleitos na Previ de fato suassem os ternos Armani para nos defender.

    ResponderExcluir
  9. Prezada Sra. Isa Musa,

    Desejo agradecer-lhe as imediatas providencias em defesa de nossos interesses (aposentados e pensionistas). Sua ação quase cirúrgica parece que intimida os que tentam esbulhar nossos direitos tão arduamente conquistados. E não é somente isto: a maneira firme, porém delicada e elegante, com que responde aos questionamentos é própria de quem detem liderança nata. Longa vida e saúde para retirar do caminho todas essas pedras que lhe são lançadas.

    Atenciosamente,
    Luiz Faraco

    ResponderExcluir
  10. Caros amigos,
    Agradeço, mas compartilho todos os cumprimentos com o Universo dos companheiros que atuam em grupos e blogs e lutam cada um dentro de suas possibilidades. Destaque para nossas Associações de Aposentados em todo o Brasil que mais do que nunca estão pressionando autoridades e conscientizando seus sócios.
    Grata
    Isa Musa

    ResponderExcluir
  11. Caríssimos,,

    - Permitam-me adentrar neste blog. Sou assistido da FUNCEF (CAIXA), e lendo atentamente o posicionamento da Isa e os comentários que se seguem, existe uma simbiose entre os Fundos de Pensão, principalmente entre nós que encabeçamos o ranqueamento dos maiores do país. Representatividade, paridade, eleição, voto de minerva, desunião, alienação e outros desabonamentos, Enfim, com maior ou menor intensidade estamos no mesmo barco. Enalteço que em termos de participação vcs nos superam considerando que a participação da Isa e outros nesta reunião , e com a incontinente apresentação dos resultados , nos serviu de paradigma para postagens em nossos blogs internos . A Myrinha, uma grande guerreira, Assistida da FUNCEF, mantém uma vigilância que extrapola nossas hostes e se reporta muitas vezes ao posicionamento da Isa. Significa que, se os problemas são comuns e falamos a mesma linguagem, POR QUE ESTAMOS A FALAR EM ALEMÃO ??? Não seria conveniente que estabelecêssemos uma aproximação para juntos levantarmos estratégias para se fazer frente ao desgastante e estressante dia-a-dia daqueles que após 30 , 35 ou mais anos dedicados às empresas são merecedores de uma aposentadoria tranqüila ?? Como diz Fernando Pessoa : " SOMOS TODOS ANJOS DE UMA SÓ ASA E SÓ PODEMOS VOAR QUANDO NOS ABRAÇAMOS UNS AOS OUTROS". Pensemos !!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meu caro sbentenar,

      A Mirynha já é velha conhecida minha. Temos nos comunicado algumas vezes, tanto por telefone quanto por e-mail e até facebook. Grande guerreira esta moça.

      Quanto à união, meu caro, este é um sonho que perseguimos de longa data. Já fizemos até um Encontro de Aposentados em Brasília DF, em julho do ano passado, mas pouco se lucrou com isto.

      Estamos à disposição e de braços abertos para recebê-los. Realmente, estamos muito mais engajados que vocês. Não sei o que fazer para que esta aliança se realize, mas depende muito mais de vocês se juntarem a nós do que o contrário.

      A Isa vai ver este comentário e certamente irá se manifestar sobre ele. Tenho certeza que ela vai adorar esta ideia.

      Nosso blog está à sua disposição, volte sempre e um grande abraço.

      Leopoldina Corrêa

      Excluir
    2. Caro amigo Paulo Roberto,
      Tenho tentado enviar nossas analises aos colegas aposentados pelas FUNCEF, embora não tenha tido resposta, acredito que estão lendo.
      Se vc tiver contato com alguma Associação de Aposentados da Caixa, queira pedir a eles que entrem em contato comigo. Meu e-mail é: isamusa@uol.com.br

      Excluir
  12. EM TEMPO : Meu nome : PAULO ROBERTO CARPENEDO - Porto Alegre(RS)
    e-mail : pcarpenedo@me.com.
    Sbentenar : nome de guerra

    ResponderExcluir
  13. Prezado Paulo Roberto,

    Apesar de eu não exercer qualquer liderança ou direção de entidade, mas como colega de rua da amargura (fundos de pensão de estatais), acredito que sua sugestão é muito bem vinda por todos nós. Imagine se conseguíssemos congregar a FUNCEF, a PREVI, a PETROS, a CENTRUS e outras similares, de forma a impedir que o governo federal continue usando o voto de qualidade para determinar quais investimentos merecem sua atenção, desprezando o real e único objetivo de nossos fundos de pensão: propiciar aposentadoria e pensão dignas. Talvez Dona Isa já tenha pensado em um meio para concretização dessa idéia. E a prezada colega Leopoldina, que me parece não se incomodar com contraditórios, permita-me uma observação: concordo que estamos de braços abertos, mas temos, de nossa parte, que continuar insistindo nessa união, mesmo que as tratativas iniciais resultem inócuas. Afinal os dirigentes de associações mudam e os novos podem muito bem rever eventuais erros que cometemos em relacionamentos anteriores. E não há aqui que cogitar-se em quem detem maior ou menor patrimônio. A luta é a mesma e somente unidos é que conseguiremos anular essas ações nefastas dos patrocinadores.

    Cordialmente,
    Luiz Faraco - Florianópolis-SC

    ResponderExcluir
  14. Aproveitando a presença ultimamente amiúde aqui neste espaço e com a licença da colega Leopoldina, agradeceria caso Da. Isa emitisse a sua opinião abalizada acerca do pedido formal dirigido pelo SindBan-DF ao patrocinador, com vistas à reabertura de negociações para utilização da minguada reserva especial para revisão do plano relativa ao exercício de 2012.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ao Anônimo23 de maio de 2013 13:43,

      Meu caro, a Isa não precisa pedir licença para emitir a opinião dela sobre qualquer assunto aqui neste blog. Nem a Isa e nem ninguém, estão todos convidados a participarem deste espaço. Este blog não é meu, é nosso. Não permitimos abusos, mas todos os colegas de bem podem nos prestigiar com seus comentários.

      Grande abraço. Volte sempre.

      Leopoldina Corrêa

      Excluir
    2. Prezado Colega,
      O Sindicato cumpre sua função de cobrar sim do BB que reabra as negociações, pois se há saldo na Reserva Para Revisão do Plano é preciso definir como essa reserva se converterá em mais benefícios a participantes e assistidos. No entanto, o exercício 2012 fechou com mais de 1 bi e, como BB fica com a metade, deve estar achando pouco e tem resistido à negociação.

      Excluir
  15. Prezados/as

    Postei o seguinte comentário para esta matéria lá na publicação pelo Direto da Redação:

    Quase todos os dias eu assisto o vídeo com o discurso de posse da Presidenta Dilma e minha indignação fica cada vez maior.

    Eu acreditei que por ser uma mulher assumindo os destinos deste país de corruptos, sua sensibilidade viesse a reparar os erros que tantos Governos fizeram à nossa classe de aposentados.

    "Agora eu sou a Presidenta" que antes soava com uma esperança, agora soa como: "Agora sou eu a carrasca"!

    Com esta Resolução de Retirada de Patrocínio não falta mais nada, apenas o TIRO DE MISERICÓRDIA nos aposentados dos Fundos de Pensão.

    Leopoldina Corrêa

    ResponderExcluir
  16. Por que então fazemos parte dessa falcatrua da PREVIC? Apenas para dar legitimidade aos seus atos? Vamos cair fora pois assim não terão desculpas para alegarem que participamos dessas medidas.
    Vamos criar uma federação de todas as nossas associações que nos representam e em seu estatuto dar poder para que ela aponte os diretores da PREVI, CASSI, e outros órgãos, podendo destitui-los a qualquer momento. Essa escolha seria com a nossa participação. Com certeza, teriamos muito mais força até para questionar as atitudes da Previ judicialmente.

    ResponderExcluir
  17. Colega Evertom, não é possível nos livrarmos da PREVIC ela é o xerife do governo para organizar os fundos de pensão. Nosso Fundo de Pensão é obrigado a respeitar o que ela manda

    ResponderExcluir
  18. Se voce viver além dos 85 será denominado de "o fora da curva".

    ResponderExcluir
  19. Vamos aplaudir e dar salvas à atuação da ISA e da LEOPOLDINA. Nossa Previdência Privada é um novelo sem ter como desenrolar, juridicamente falando. Temos sim que nos unir, FUNCEF, PREVI, PETRUS e outras entidades, porque não é de hoje o CNPC faz o que bem quer conosco. E o que nós estamos fazendo? Temos que nos mobilizar para acabar com a ingerência e intromissão de políticos mal caráter que aceitam cargos de nossas Previdências só para fazer valer os interesses das Estatais e Governos e pouco fazendo caso dos interesses dos aposentados. É isso que todos nós precisamos entender. Não se trata de defender políticas do governo "A" ou "B". Vamos ficar olhando uma só andorinha transportando água para apagar o incêndio eminente? Ou ficaremos esperando para nos ver com 80 ou 85 anos denominados "Fora da Curva" e então tomar providências?

    Sérgio Silva
    Itajaí/SC

    ResponderExcluir
  20. UMA PERGUNTA. EXISTE CLÁUSULA PÉTREA NA ORGANIZAÇÃO DE UM FUNDO DE PENSÃO. A EXEMPLO DO CENESP EM SÃO PAULO, ADMINISTRADO POR EMPRESAS GABARITADAS. DE OUTRO PAÍS - O COMANDO É DA FAMÍLIA QUERCIA (EX- GOVERNADOR DO ESTADO DE SP)-ALUGAM O ESPAÇO COMERCIAL - PODE SER VENDIDO ALGUM BEM?

    ResponderExcluir

O blog Olhar de Coruja apoia AMIR SANTOS - No 5 - candidato a DIRETOR DE PLANEJAMENTO NA PREVI