09 março, 2015

Petrobras está envolvida no maior escândalo de corrupção do mundo, diz Cunha


O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), um dos 34 parlamentares alvo de inquérito no Supremo Tribunal Federal (STF) sob suspeita de participar no esquema de desvios da Petrobras, classificou o escândalo que atingiu a estatal do petróleo como o "maior escândalo de corrupção do mundo". A afirmação foi feita em entrevista ao programa Canal Livre da TV Bandeirantes, exibido na madrugada desta segunda-feira, 9.

Na entrevista, Cunha disse que o escândalo que atinge a Petrobras trará efeitos negativos na política interna e externa do País e pode, inclusive, fazer o Brasil perder o grau de investimento. "Se o País perder o grau de investimento, os US$ 370 milhões que possui em divisa podem se evaporar em pouco tempo", alertou.

Para o presidente da Câmara, é muito grave o que está acontecendo com o País, na esteira do escândalo que envolve a estatal do petróleo. E destaca que esse escândalo já deve ter provocado uma retração de cerca de 1% no PIB brasileiro.

Janot

Ao falar da inclusão de seu nome na lista que o Procurador-Geral da República, Rodrigo Janot, encaminhou ao STF, o peemedebista voltou a dizer que recebeu com tranquilidade a informação porque não deve nada e ninguém está imune às investigações. Porém, voltou a criticar a forma como Janot conduziu este processo, não descartando motivação política.

Mesmo com as críticas, disse que não teme as investigações, "porque quem não deve, não teme". E descartou que este processo poderá contaminar a condução da presidência da Câmara dos Deputados. Para Cunha, se ficar comprovada a motivação política, "não vai deixar pedra sobre pedra."

O peemedebista disse que achou estranho o fato de a lista de Janot não contemplar mais nomes ligados ao PT, uma vez que o ex-gerente de engenharia da Petrobras Pedro Barusco ter revelado, em depoimento concedido no acordo de delação premiada, que o PT teria recebido até R$ 200 milhões de propina do esquema da Petrobras.

Ajuste

Na entrevista, Cunha falou que apoia o pacote de ajuste fiscal do governo da presidente Dilma Rousseff e que fará tudo para que ele seja aprovado. Contudo, ponderou que o governo não está conseguindo mostrar à população que ela terá de fazer um sacrifício no momento para encontrar uma saída depois. 

"Não dá para fazer todo dia o mal. O governo deveria ter falado previamente com sua base e soltado tudo de uma vez", disse, destacando que todo dia tem uma notícia ruim. "O clima está ruim pela falta de comunicação (por parte do governo)."

Ele disse que o governo Dilma tem um problema político e tem de apaziguar a sua base. "E depois vai ter que encontrar um caminho para mostrar às pessoas que o ajuste é necessário." Cunha reclamou que o parlamento não é chamado a participar das discussões de medida de impacto, como o pacote fiscal. E criticou, principalmente, um dos articuladores do Planalto, o ministro Pepe Vargas.

Na sua avaliação, a presidente Dilma não aproveita o fato de que tem como seu vice-presidente um dos maiores articuladores políticos do País, Michel Temer. "É uma falta de inteligência não utilizar um quadro como o vice Michel Temer", disse, emendando que não compete com ele e que o PMDB se une nas dificuldades. "Aliás, o Michel se tornou persona non grata no Palácio quando passou a apoiar a minha candidatura (à presidência da Câmara)", disse.

Impeachment

O presidente da Câmara dos Deputados rechaçou a hipótese de colocar em tramitação neste momento um eventual pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff. "Sou contra o impeachment e não colocarei para tramitar", garantiu.

Na sua avaliação, impeachment não é a palavra de ordem do momento. "O que está ocorrendo é que Dilma está tendo perda de apoio político e da população." E voltou a dizer que a gestão de Dilma enfrenta um grave problema de articulação política. "É preciso mudar a forma de fazer essa articulação."

Cid Gomes

Eduardo Cunha disse ainda na entrevista à TV Bandeirantes que o ministro da Educação, Cid Gomes (Pros), foi convocado pela Câmara, na quarta-feira, 11, às 15 horas, para explicar porque chamou, em uma palestra para universitários, os parlamentares de achacadores.

 "Um País que se autointitula pátria educadora, não pode ter um ministro da Educação mal educado", disse o presidente. E afirmou que tirou de pauta o projeto de criação do Instituto de Ensino Superior, ironizando que os 'achacadores' não poderiam colocar em pauta um projeto de ministério da Educação.

 



Nenhum comentário:

Postar um comentário

O blog Olhar de Coruja apoia AMIR SANTOS - No 5 - candidato a DIRETOR DE PLANEJAMENTO NA PREVI