08 fevereiro, 2015

Para Dirceu, crise pode ser 'pá de cal' na imagem da sigla

José Dirceu considera que a Operação Lava Jato, que apura a corrupção na Petrobras e seus braços no mundo político, poderá ser a "pá de cal" na imagem do PT se a sigla que ajudou a fundar em 1980 e que liderou no processo de chegada ao Palácio do Planalto em 2003 não reagir. 

Condenado no processo do mensalão, o ex-ministro tem dito a interlocutores que o partido precisa se defender melhor e reorganizar sua Executiva. Ele defende, contudo, que o presidente Rui Falcão continue à frente do partido. 

A Folha ouviu amigos de Dirceu que o visitaram recentemente na casa que alugou e onde mora, cumprindo pena de prisão domiciliar, com a mulher Simone e a filha de 4 anos do casal. 

Recentemente, um artigo publicado no blog de Dirceu criticava a política econômica adotada por Dilma Rousseff no 2º mandato, o que alimentou a especulação de que ele prepara uma volta à cena política no papel de oposição à presidente. 


Pedro Ladeira/Folhapress
Condenado no processo do mensalão, o ex-ministro José Dirceu deixa audiência no DF
Condenado no processo do mensalão, o ex-ministro José Dirceu deixa audiência no DF
A esses amigos Dirceu nega, com "ênfase", a intenção. "Eu tenho direito a dar minha opinião", disse a um interlocutor em conversa recente. "Não estou fazendo política partidária nem criando nova tendência [no PT]. Muito menos fazendo oposição. Estou expressando minhas opiniões para quem as pede", afirmou. 

Dirceu estima passar a cumprir a pena em regime aberto neste ano. Até lá, ele não irá pedir a revisão criminal do julgamento do mensalão. 

Dirceu acalenta dois planos: casar-se com Simone e publicar seu livro sobre a vida na prisão. A obra não será circunscrita ao tempo na Papuda. Irá incluir seu período preso sob a ditadura nos anos 60, e buscará falar sobre o sistema carcerário. 

O ex-chefe da Casa Civil, condenado a 7 anos e 11 meses de cadeia, deixou a prisão em 2014. Sobre os tempos no cárcere, lembra momentos inusitados, como o dia em que desafiou João Paulo Cunha a matar um rato que circulava pelo pátio da Papuda. 

Ex-presidente da Câmara condenado no mensalão, João Paulo rapidamente pegou uma vassoura e cumpriu a missão sem titubear. 

Para reduzir a pena, o ex-ministro da Casa Civil limpava o pátio da penitenciária e organizava a biblioteca do local. Leu 75 livros e fez resumos para provar a leitura. 

FOLHA

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O blog Olhar de Coruja apoia AMIR SANTOS - No 5 - candidato a DIRETOR DE PLANEJAMENTO NA PREVI