08 fevereiro, 2015

Dilma Rousseff virou uma gestora hemorrágica


Tomada pela mais recente pesquisa do Datafolha, Dilma Rousseff converteu-se numa presidente hemorrágica. A maioria dos brasileiros acha que ela sabia da corrupção na Petrobras (77%) e permitiu que a roubalheira corresse solta (52%). Metade do país a enxerga como falsa (54%), indecisa (50%) e até desonesta (47%).

Faltam três anos e 326 dias para o término da atual administração. Em tese, Dilma dispõe de tempo para recuperar-se. Mas precisa admitir a sangria o quanto antes. Do contrário, as horas mais preciosas do seu mandato serão as mais rápidas.

Ao discursar na festa dos 35 anos do PT, Dilma disse coisas assim: “Nunca antes na história do nosso país ninguém combateu com tamanha firmeza e obstinação a corrupção e a impunidade como nós.” Quer dizer: continua tentando fazer a plateia de idiota. A diferença é que já não encontra material. Devagarinho, mesmo as almas mais ingênuas vão se dando conta de que os corruptos da Petrobras não desceram de Marte.

As expectativas em relação à economia são nefastas. A grossa maioria crê em alta da inflação (81%) e do desemprego (60%). De cada dez brasileiros, seis avaliam que Dilma mentiu durante a campanha eleitoral. Dos 60% que a consideram mentirosa, 46% acham que ela disse mais mentiras do que verdades. Para 14% ela só pronunciou lorotas. Contra esse pano de fundo, é natural que o alarme da impopularidade toque um mês e meio depois da posse.

Desde dezembro, a taxa de aprovação de Dilma despencou de 42% para 23%. Está abaixo dos 30% amealhados por ela em junho de 2013, mês em que as ruas roncaram. A taxa de rejeição saltou de 24% para 44%. Coisa jamais vista, conforme demonstrado pelo repórter Fernando Rodrigues.

No gogó, Dilma continua sendo a gerente mais maravilhosa que Dilma já viu. Mas daquela candidata que o marqueteiro João Santana levou à vitrine sobrou pouco. E os esqueletos que muitos ignoravam saíram do porão. Dilma mudou muito. E não deixou o endereço.

Do ponto de vista econômico, a aura de Dilma tem novo dono: Joaquim Levy. Do ponto de vista político, madame é refém de Renan Calheiros e Eduardo Cunha. Do punhal de Levy, a nação ainda não viu nem a ponta. Dos planos do PMDB, o país ignora tramas que nem te digo e armadilhas que vou te contar!

Na celebração do aniversário do PT, Lula comparou a um câncer o ajuste que Dilma dizia aos eleitores que não faria. “Eu aprendi essa lição. Não tem nada pior do que fazer a quimioterapia que eu fiz. Depois, não teve nada mais desagradável do que 33 sessões de radioterapia na minha garganta. E eu tomava. Era disciplinado. E fazia porque era necessário para eu poder estar aqui, bonitão, falando com vocês.”

Lula prosseguiu: “A companheira Dilma teve que tomar algumas medidas que eram necessárias. […] Nem sempre é aquilo que vocês querem. Mas vocês têm que pensar que, de vez em quando, a gente tem que parar, tomar fôlego e seguir a caminhada.” Voltando-se para Dilma, exortou: “Faça o que tiver que fazer, porque um erro desastroso nosso quem vai sofrer é o povo humilde desse país.”

O patrono de Dilma fez uma analogia entre 2015 e 2003: “Houve medidas duras para corrigir os muitos problemas que herdamos. E você estava conosco, já em 2003, tomando essas medidas duras.” A diferença é que, nessa época, Lula atribuía o purgante à “herança maldita” deixada por FHC. Hoje, Dilma administra uma ruína 100% petista. Fica evidente que a história de sua última campanha é uma fábula, só que muito mais mentirosa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O blog Olhar de Coruja apoia AMIR SANTOS - No 5 - candidato a DIRETOR DE PLANEJAMENTO NA PREVI